Tudo Novo Novamente

Passei um bom tempo longe, na verdade eu estava longe de mim, porque nem eu sabia mais – e acho que nem sei ainda- do que eu queria estar perto. Essa semana mudei de casa, mudei de local por achar que estava presa, por não encontrar mais sentido em viver na casa que eu viva, procurei algo pequeno, algo diferente que eu pudesse decorar, paredes que eu pudesse furar e encher das minhas coisas e quem sabe assim eu enchesse o espaço de mim. Uma casa, onde eu possa abrir toda a janela e andar nua a vontade rs tem coisa mais livre do que poder andar nu na sua casa? Eu queria fazer tudo isso, queria uma casinha onde eu pudesse decorar igual a casa de Iris Simpkins em O amor não tira férias. Achei :) e então porque adiar uma coisa que eu já queria faz tempo?! Sem contar conversa eu mudei já está quase tudo organizado, falta apenas planejar o espaço da TV e colocar uns quadros no quarto, que ainda não foram colocados por pura falta de tempo.

Tempo… tempo é que tem me faltado ultimamente, ando trabalhando demais, e o trabalho anula o projeto que planejei pra mim, aquele de cuidar de mim, cuidar do corpo… trabalho dia e noite, noite e dia incansavelmente, o corpo cansa, na verdade, mas a mente tem que continuar, muitas oportunidade de deixar a minha marca e eu não quero e nem posso perder esta oportunidade, mas acabo pagando um preço alto, pois o valor do nosso tempo é imensurável!

Imensurável também foi a perca que eu tive há alguns meses, perdi alguém especial, perdi alguém que me valorizava como jamais fui valorizada, dentre tantas causas que levaram este fato a acontecer eu nem quero elencar a mais importante, quero apenas falar que ele foi um dos caras mais importantes da minha vida, se eu pensar rápido vai vir na minha mente uns 4 caras que nestes ultimos anos me preencheram de alguma forma e este me preencheu de forma especial, pois foi o mais perto que eu já cheguei no planejamento de tornar sonhos em realidade.

Sonhos… tenho pensado muito ultimamente na impossibilidade e possibilidade de tornar sonhos em realidade. Sonho é complicado, as vezes a gente está perto de realizar, mas acha que daquela forma não é agradável e acaba pondo tudo a perder, eu sou especialista em estragar os acontecimentos que caminham, só não caminham da forma como eu acho que devem caminhar. Tenho observado bastante as pessoas, isso tem sido um exercício maravilhoso, tenho treinado bastante – também – a paciência e a aceitação de que nem todas as pessoas são iguais a mim e que essas pessoas nem tem que ser iguais a mim e por mais que eu ache que eu deva interferir, por achar que meus achismos são os mais certos, ainda assim eu tenho me mantido distante, ma claro que isso tem um preço, manter-se distante acaba, inevitavelmente, te afastando das pessoas.

Estou reformulando muitas coisas na minha vida, inclusive as pessoas que me acompanham, isso já se tornou um exercício constante para mim, os tempos passam e com ele passam também as afinidades, a sintonia vai ficando longe e você deve seguir em frente, desejar o bem e partir, não dá pra ficar voltando atrás pra ajudar as pessoas, o ciclo corre e você precisa seguir em frente. Isso é progredir, e quem sabe você partindo não sirva pra que outra pessoa te observe e retire as mesmas conclusões de que: “precisamos seguir ou um vai atrasar o outro”

Tenho muito mais pra escrever, mas vou parar por aqui e reiniciar outra “página” essa aqui já tem informação demais :)

De tudo não restou quase nada

Eu queria aprender observando, mas tenho a infeliz mania de aprender sofrendo! vamos lá…

Eu sempre quis ser “bonita” e achava que para isso eu precisava ser magra, afinal todo mundo fala isso pra gente “você está tão magra, está tão bonita” não existe beleza associada a pessoas gordas e eu não estou falando de interior, estou falando de corpo, de algo visual. Criei na minha mente que mulheres magras eram bonitas e sendo tudo isso elas eram felizes, elas não tinham problemas, elas casavam com “príncipes encantados que chegavam em cavalos brancos” e eu queria ser uma dessas mulheres, eu queria ser bonita…eu queria na verdade ser feliz!

E foi este o real motivo de eu ter feito cirurgia bariátrica, eu queria ser magra a qualquer custo! e eu fiz, lá se vão 1 ano, emagrecendo e me tornando cada vez mais magra, bonita e feliz, não espera… eu não fiquei feliz! Alguma coisa deu errado! Eu me expus nas redes sociais, eu arrumei um namorado, eu postava fotos felizes com ele, eu postava fotos felizes de mim, mas aquilo tudo era aparência, eu estava cheia de dúvidas, o vazio continuava o mesmo, e nada de extraordinário aconteceu, e a felicidade plena não vinha…e eu fiquei triste e eu acabei misturando tudo e me perdi…

Eu me acho tão inteligente, mas não fui capaz de perceber que eu estava tendo a visão mais errada do mundo, estava aliando aparência física a felicidade plena, sendo que esta suposta felicidade plena nem existe, mas eu vivi a vida inteira pensando que existia, na verdade eu gosta de pensar que existia um mundo onde os problemas era nulos e que pra chegar neste mundo eu precisaria sofrer um pouco, mas que como recompensa, um dia estaria entre os bons. E dane-se, eu pensava assim, era a forma que eu tinha de continuar vivendo, visto que eu achava a minha vida uma merda, e achava mesmo. Ficava olhando pessoas que me elogiavam, ou que diziam que a minha vida era boa. pensava: se eles soubessem como me sinto… a unica coisa que eu acho que fiz de bom foi estudar, porque isso eu sempre fiz e fiz bem, era a unica coisa boa que eu achava que eu fazia, era a única coisa na qual eu me destacava, era a UNICA coisa que me orgulhava em mim.

A mente da gente é um campo minado, por vezes eu mesma tenho medo de me fazer certas perguntas, ou de pensar certas coisas, eu tenho medo de me fazer sofrer, hoje já acho que me enfrento mais, antes eu fugia muito de mim e que bom que eu fugi, pois eu teria encontrado muita coisa ruim, ou talvez tivesse evitado muitas outras coisas ruim…vai saber…

Bom, o fato é que eu entendi isso tudo, lógico que passei por algumas coisas neste 1 ano pra estar aqui escrevendo isso tudo tão abertamente e de forma tão clara, chegar a este entendimento é que foi difícil, mas eu conclui a pesquisa, espero de agora em diante reformular muitas coisas e correr atrás do que eu realmente preciso, retirando de mim os excessos que eu estava carregando. Não nego que preciso de ajuda profissional, não nego que muita coisa ainda está mexida aqui dentro do meu coração (e do corpo né… rsrs) mas que bom que eu percebi o que eu busquei a vida inteira, e que com 28 anos eu percebi que tenho que recalcular alguns objetivos…pois estavam bem distantes da realidade.

Eu ainda quero ser feliz, mas não como uma obrigação, porque eu achava que era obrigada a ser feliz, eu acho que quero ter mais fé, e não quero perder as esperanças. Se eu conseguir isso, acho que já vai estar bom.

Das coisas que nem eu acredito que escrevi

“Bom, como eu já estou indo embora e não vou conseguir falar contigo, vou digitar tudo que eu tinha pra te falar.

Realmente eu acho que você foi um presente que dezembro me trouxe, Acho que o inicio foi muito intenso, conversas incansáveis e a gente ali fazendo parte do dia um do outro, mas janeiro veio pra realmente acalmar tudo isso, seja com as brigas, seja com os afazeres, seja com a minha viagem… a gente meio que foi deixando pra lá…a gente não está no mesmo tempo e eu já entendi isso, entendo porém não aceito. Entendo que tenho que te respeitar, que você está em uma das fases mais importantes da sua vida e que você deve estar cheio de dúvidas, foi assim que me senti quando terminei o mestrado, e no meio disso tudo eu ainda fui aparecer, E eu tomo muito tempo mesmo, eu sou mimada, eu sou expansiva, eu quero atenção, eu fico chamando atenção…eu quero você!

Engraçado, porque eu realmente gosto de ti…ontem fiquei lembrando de uma conversa que tivemos e eu ali fazendo meu joguinho e você falou: não subestime seu adversário…dia desses você falou: você ainda me vê como um adversário…e eu te digo que não vejo não, mas realmente eu não imaginava que iria gostar tanto de ti…porque eu gosto mesmo. Não teve um dia no rio em que eu não tenha lembrando de você, não teve um instante desde que voltei que eu não tenha pensado em você.

Garoto, eu gosto de ti, eu tenho vontade de te chamar de amor…sabe…quando a gente chama o outro de amor? Despretensiosamente? É assim que eu queria te chamar. Eu nunca entendi onde você queria chegar, eu nunca entendi porque você não foi correndo me pedir em namoro, mas eu já aprendi que eu tenho que te respeitar e que você não faz o que eu quero que você faça, você faz o que você sente. Eu acho que a gente tinha tudo pra dar certo, mas eu preciso ter paciência e você também não sabe lidar comigo. Eu quero os telefonemas, eu quero as mensagens, eu quero teu tempo, e você está enrolado e eu não sei quando e se você vai desenrolar…mas eu sei que eu preciso esperar porque eu quero ficar com você, mesmo todos os santos e o tal destino manifesto falando que eu não vou ficar com você.

Enfim vai chegar o tempo de calmaria, porque eu vou voltar pra minha casa e não vou mais voltar aqui tão cedo. E apesar disso aqui estar em um tom de despedida, não é. Porque eu não quero me despedir de ti, eu quero dizer que eu te adoro, que você mexeu comigo, que você me faz pensar em coisas lindas (lembra que você prometeu que eu iria morar no lugar mais alto). Eu quero te falar coisas sérias e quero te contar das roupas novas que eu comprei. Eu quero fazer planos contigo, eu quero fazer uma planilha no excel pra gente planejar algo (hahaha pq pra mim tudo começa com uma planilha no excel) eu quero um dia dizer que te amo….e eu não sei quando tudo isso vai acontecer, eu nem sei se vai acontecer, mas eu vou pra casa e vou esperar e se um dia eu cansar eu sempre vou lembrar de dezembro.

Era isso que eu tinha pra te dizer… e tudo que eu fiz foi porque eu tinha medo de não viver nada disso contigo, Não que este medo não exista, mas eu já me convenci da ideia de que não estamos no mesmo tempo e que esse tempo pode demorar a chegar e talvez a gente viva outras coisas antes… porque você poderia me pedir pra esperar, mas eu sei que você não vai pedir, porque a espera tem que partir de mim.

ahh…eu ainda vou te amar muto e vamos ser o casal mais feliz que existe :D nossa lua de mel vai ser em Paris e em Paris você sabe o que acontece né? rss (mas se nada disso acontecer a gente vai lembrar de tudo e vai sorrir… pq dezembro foi lindo e muita coisa foi dita”

Quem se esconde quer ser encontrado

Estava voltando pra casa quando parei pra prestar atenção na conversa que um senhor estava tendo ao telefone, ele falava palavras de apoio à alguém que parecia estar passando por momentos difíceis e pensando em fazer coisas ruins e uma parte da conversa falava coisas assim: Afasta de ti esses pensamentos negativos, esquece o passado, viva o hoje e olhe pra frente. Quando esses pensamentos vierem saia de casa, beba uma cerveja, escute uma boa música, compre uma bolsa da Louis Vitton, não há quem não fique feliz com uma bolsa da Louis Vitton (ele aparentava estar falando com uma mulher). E continuou falando uma coisa que fez muito sentido pra mim: não se esconda, pois quem se esconde quer ser encontrado.

Neste momento da conversa eu parei de prestar atenção e fiquei pensando nas palavras dele, fiquei pensando no sentido que tudo aquilo estava fazendo pra mim “quem se esconde quer ser encontrado” Isso é tão verdade, quantas vezes eu me escondi e ainda me escondo na esperança de que alguém meta a cara e diga: te achei! A gente só quer alguém que olhe nos nossos olhos e diga que não somos o que aparentamos ser, a gente quer que nos desnudem e que nos vistam depois, a gente só quer que nos contemplem, mas tembém queremos a segurança sobre isso, pois do que adianta alguém que te encontre mas te faça sentir que você permanece perdido?

Ando criando uns personagens sobre mim, por vezes me olho e nem me reconheço, mas sei que ainda estou ali, ando me escondendo na esperança de ser encontrada, as vezes tenho até a sensação de ter sido encontrada, mas depois chego a conclusão que na verdade não fui, me resta seguir, me resta seguir os concelhos daquele homem, sair, beber uma cerveja, ouvir uma boa música e comprar uma bolsa de marca… e continuar seguindo. Em nenhum momento aquele homem falou que as coisas iriam melhorar, mas a todo o momento ele deu alternativas pra conviver com os pensamentos e até pra fugir deles, vai ver que ele está certo, vida é isso mesmo, sonho é outra coisa.

O e-mail do FutureMe

Há 4 anos atrás eu escrevi um e-mail que chegaria hj, fiz isso usando o site FutureMe.org, e não é que o e-mail chegou mesmo… Eu não lembrava o que tinha escrito, mas sabia que certamente iria chorar, eis o que escrevi…

¨

Dear FutureMe,

Bom, hoje são 3 de janeiro de 2010 tenho 24 anos e estou cursando mestrado em engenharia civil e trabalhando como professora de AutoCad no IFPA.

Para daqui a 4 anos espero já ter concluido o mestrado e ser mestre en Engenharia Civil. Talvez eu esteja cursando Doutorado, mas acho meio improvavel, pois espero mesmo (e quero!) estar casada e ter um filho que deverá se chamar Natan,  (MEU DEUS, EU QUERIA SER MÃE E CASAR, ESTE ERA O PROJETO DE VIDA, NÃO PERDE). Então se eu estiver casada  eu espero estar morando no sul em alguma cidade bem fria e ter uma linda casinha onde serei muito felize (PICARA SONHADORA QUE QUER MORAR NO SUL HAHAHA)… e já que eu vou cuidar do meu lar, eu ainda espero ser professora de algum IF, pois acho um trabalho bem tranquilo que me possibilitaria cudar do Natan (MEU FILHO TINHA ATÉ NOME) e do meu maridinho =).

Caso nada disso aconteça (AHHH ESSA SOU SENDO REALISTA) =( eu espero estar cursando doutorado na PUC-Rj sob a orientação do profª Giuseppe Guimarães, se eu estiver cursando doutorado já estarei no 4º ano, quase terminando e provavelmente estarei procurando algum concurso em alguma universidade para lecionar, e quero sinceramente ir para o sul, ter muita qualidade de vida (GENTE, ALGUÉM ME LEVA PRO SUL!!! HAHAHA).

Ainda espero ser amiga da Luany Joyce que foi muito minha amiga na epoca da graduação e mestrado, e espero ainda manter contato com o Ronaldo Abdoral, Vitor Branco (CASOU E SE TORNOU MEU CUMPADRE \O/), Pricila Oliveira, Ariane Monteiro, Patricia Oliveira, Patricia Castro e suellen Silva (OWNNN ), que foram grandes amigos que eu fiz ao longo da vida. Outras pessoas que ainda espero estar mantendo contato é com a Shirley Mello, Nivea Albuquerque, Agleilson Reis, Carlos Rossi, Alexandre Vilhena, Leila Nunes e Leonice Santos, que foram grandes pessoas que eu conheci no GAEMA e pelas quais eu tenho um enorme carinho.

Ainda espero de todo meu coração ter minha mãezinha e paizinho ao meu lado!! seja aqui em belém ou lá no sul comigo (AINDA OS TENHO, MAS EU AQUI EM MCP E ELES LÁ EM BEL)…

Bom… seja o que eu estiver fazendo (doutorado ou sendo mãe e mulher) (NEM TO FAZENDO DOC, NEM SOU MÃE…DEU TUDO ERRADO KKKKK) eu sinceramente espero estar muito feliz (MAS EU ESTOU!)!!! E espero ainda estar escrevendo blog (EIS ELE AQUI \O/)que eu amo fazer … ahhh e espero também estar fotografando =) (NÃO ESTOU FOTOGRAFANDO…TRISTE…)

Natasha Costa às 14:40 de 03/01/2010

Nossa resumo de tudo: Eu queria ser mãe, professora e morar no Sul

Resultado: sou professora, terminei o mestrado, não me tornei mãe e nem casei, mas sou feliz hahahahaha

adorei!!!!

Surpresa!

Este ano realmente foi um ano de colheitas. Colheitas estas que fiz em plantações há muito tempo plantadas e como colher é difícil eu fui colhendo aos poucos, fui entendendo a importância dos atos, a necessidade deles e o que eles poderiam me trazer. E então posso dizer que 2013 foi cheio de surpresas, pois colher é surpresa, você não sabe o que vem, você vai pegando e ora pode lhe servir ou não, ora pode lhe deixar feliz ou não e o que lhe serve você fica, usar, ama, se apaixona, enfim…você vive!

E o segundo semestre de 2013 foi um tempo de viver, de experimentar, de ser a atriz principal, foi um tempo de monólogos, cordéis, novelas, filmes todos gravados ao mesmo tempo…Nossa! Foi lindo! Alias tem coisa mais viva do que realmente viver, tem coisa mais linda do que respirar e ter a certeza de que se está vivo?! Eu precisava disso! Precisava caminhar e sentir a grama, a areia ou as pedras, precisava sentir a chuva e o sol, precisava sentir o cheiro de terra molhada… E assim 2013 foi acabando e eu já estava me dando por satisfeita mesmo ainda tendo quase um mês inteiro por terminar, o mês de dezembro, o mês de Natal, de Nascimento, de fraternidade, de amor. Na verdade todos os meses tem que ser assim, mas dezembro tem um encanto todo diferente, mas meu 2013 já tinha sido ótimo e eu não acreditava que eu ainda poderia receber mais algo de bom, não acreditava que dezembro me traria algo especial, eu já tinha recebido tudo de bom…Mas é como eu disse antes, eu plantei e 2013 foi o ano de colher e então, já quase no finalzinho, quase naquele momento de partir, eis que eu fiz a última colheita de 2013, a mais linda a mais entregue, a colheita cheia de surpresas, pois dessa sim eu tinha dúvidas do que poderia vir, mas confesso que não parei pra pensar, eu queria, eu merecia, aliás nós merecíamos…E Sim ainda no finalzinho de 2013, exatamente no mês de dezembro, nesse mês mágico, eu me apaixonei, uma paixão que talvez tenha sido plantada há muito tempo atrás, reavivada lá pelo meio de 2013 e confirmada no final.

E essa paixão é algo tão especial, primeiro por ter sido descoberta em dezembro, segundo por ser sem medo, pois quando você vice algumas coisas você acaba tendo medo do inesperado, você acaba tendo medo de fazer a colheita, você se reserva, e é exatamente isso que não fazemos, pois não nos reservamos, falamos, vivemos, criamos expectativas e assim vamos sendo felizes… Espero que este finalzinho de 2013 confirme esta paixão (pensando bem, ela já se confirmou e que em 2014 ela se transforme em coisas maravilhosas pra gente… Eu estou muito feliz, por sinal, nós estamos muito felizes.

Muito obrigada, dezembro!

Escola para solitários

O tema solidão sempre me chamou atenção, mas antes chamava pelo medo que eu tinha de ficar sozinha. Desesperava-me o fato de pensar que eu poderia passar o resto da vida acompanhada de mim mesma, pois como eu poderia ficar na companhia de alguém que eu nem conhecia? De alguém que eu não valorizava e, portanto, eu queria bem longe de mim? Daí eu passava dias sonhando com o dia em que eu conheceria o príncipe encantado, um homem que me amaria e para o qual eu dedicaria todos os dias da minha vida, o que ele quisesse eu iria proporcionar, pois o mais importante era ser a mulher perfeita, ter filhos e uma linda família feliz e assim eu não precisaria me conhecer, não me sentiria mais sozinha e minhas angustias e dúvidas seriam apagadas pelos afazeres familiares que iriam encher a minha vida de tarefas e porque não dizer de Luz!

 Mas é difícil ter consciência disso, muitos passam a vida toda e nunca se darão conta de que na verdade essa solidão é fruto de uma fuga, de uma fuga de si mesmo, de um medo de se conhecer. Mudar de vida me fez entender isso, cansar da solidão fez com que eu quisesse me conhecer, eu queria saber quem eu era, se eu tinha bom gosto, se eu sabia viajar sozinha, se eu sabia escolher um prato sozinha e até mesmo se eu sabia cozinhar pra mim. Você sabe cozinhar pra você? Cozinhar aquilo que você aprecia em uma quantidade que sirva apenas a você mesmo? Muitos dizem que não sabem cozinhar pouca comida, mas eles não sabem ou eles tem medo de cozinhar para si mesmos? O ano de 2012 foi um ano de reflexões neste sentido: Quem sou eu e o que eu realmente quero pra minha vida? E no final de 2012 eu percebi que eu gostava de mim e que precisava me cuidar eu precisava me amar mais que tudo e para isso precisava ser a atriz principal da minha história. Iniciar-se-ia então o bom combate.

 Bom, daí então eu já sabia quem eu era e o que eu queria, mas eu precisava agora extravasar isso pra alguém, precisava manter um relacionamento e em setembro eu engatei um, queria vivenciar essa vida a dois que os outros tanto falam, queria conhecer essas delícias da vida a dois. (delícias?). Desculpa amor, mas você faz parte de um estudo, mas não fique triste, pois ambos tiramos proveito dessa história e você bem que gosta (risos). Percebi que vida a dois se resume em compartilhar, TUDO! E isso não é tarefa fácil, é difícil dividir, é cansativo dividir, dividir satisfações, dividir sorrisos, dividir lençol, dividir abraços. Mas quando você se conhece, você se respeita e respeita o seu próximo, você não atura nada, vocês refletem e chegam a conclusões. Porque quantas pessoas nós conhecemos, ou até mesmo quantos de nós vivemos à sombra de uma relação sem vida, da qual não saímos primeiro porque não temos consciência de nada disso, segundo porque temos medo de ficarmos sozinhos, temos medo de não conseguirmos alguém melhor. E eu acho, que este medo é de quem não conhece a si mesmo, pois se você se conhece, sabe do que é capaz de fazer e de conseguir e principalmente, você se valoriza e tem alto-estima!  E pra dividir a vida com alguém a gente só precisa dessas coisas, mas se você não se conhece como saber disso tudo? Ai só resta à solidão, o medo de você mesmo e esse eterno loop.

  Não vou aqui pagar de pessoa feliz e bem resolvida e esquecer que existem as patologias e que a mente humana é um mundo vasto. Isso que aconteceu na minha vida aconteceu na minha vida! Não significa que com todos vai ser assim, mas tudo que vivi vira relatos e é a isto que este blog tem se destinado.

Como é que compartilha?

Nunca fui muito de compartilhar as coisas, admito isso. Sou filha única de pais de um único casamento, desde que me entendo por gente moro na mesma casa, não tive primos correndo comigo, alias nunca fui de correr…enfim…eu sempre fui única e sendo assim, sempre fui sozinha. Não sozinha no sentido de andar sozinha, mas no sentido de não ter com quem compartilhar coisas da vida, sozinha no sentido de não ter ninguém depois que todos iam embora, aquele momento em que você volta pra casa e ou tem alguém te esperando ou tem alguém pra quem você irá telefonar. É deste compartilhamento ao qual estou me referindo. E assim fui crescendo e assim fui criando as ideias dentro da mente e os sentimentos dentro do coração.

Na verdade eu não compartilhava por não me sentir bem pra compartilhar, acabei criando medos, mas então resolvi mudar (e fazer tudo que eu queria fazer…) Tudo começou dia 26 de agosto, dia que conheci ele. Nem era pra ser nada, e eu só fui lá dar uns beijos na boca, sabe… essas histórias que nunca vão pra lugar nenhum, com o qual você vai trocar algumas mensagens de sacanagem, vai transar, ficar por umas semanas e depois ninguém vai lembrar de ninguém…mas não foi assim que as coisas aconteceram. Logo ele declarou interesse em me namorar (NAMORAR?????) respondi que não!, pois eu não namorava, então não era nada com ele, era que eu não namorava mesmo. Na verdade eu não queria namorar, pois eu nem sabia o que era namorar, você sabe o que é namorar? Durante uns dias fiquei refletindo sobre o que era namorar, pois namorar deveria ir muito além de alguém pra ligar e uma foda fixa. Perguntei pra alguns amigos e fui criando um conceito, percebi que namorar acima de tudo era compartilhar. Compartilhar as preocupações, os medos, as risadas, os sonhos, o gozo… namorar é complexo, namorar é se importar, é cuidar sem ser mãe, porém cuidar mais que um amigo, tem que ter muito jogo de cintura pra fazer tudo isso. Namorar é não brigar e brigar ao mesmo tempo, é ceder, é entender… no meio da minha “pesquisa” li a frase: “eu sempre namoro pra sempre” lindo não? Namorar tem que ser assim, pra sempre, até que acabe…ou não…

E percebendo a complexidade da coisa eu reafirmei minha postura “Eu nunca namoro!” Na verdade eu estava apenas reafirmando a voz que sempre existiu dentro de mim: eu nunca compartilho nada, pois compartilhar é entender, é ceder, é dividir, e eu não aprendi a dividir. Não me culpo por isso, pois cada um é a sua vida, cada um é exatamente do melhor jeito que conseguiu ser… Mas eu entendi o porque estava dizendo não, na verdade o medo de compartilhar e gostar era evidente. Bom e assim 1 mês depois (26 de setembro) eu resolvi começar a compartilhar :) A gente ainda engatinha, as vezes eu acho que nem sei o que estou fazendo, as vezes acho que nem nos conhecemos ainda, mas compartilhar é isso mesmo é ir compartilhando, é ir conhecendo é ir crescendo sempre, até enquanto for pra ser.

Acho que estou descobrindo como é namorar, estou achando bastante complexo, mas acho que estamos indo bem :)

20130901_213343_20130901213506405_20130902104245705

A primeira foto

InstaSize

A 1º saidinha pra dançar

 

Cansei de Gente que cansou de não ser sexy

Esta manhã resolvi ler a revista Alfa e como de costume a primeira coluna que li foi a da Tati Bernardi. Sempre adorei ler os textos dela e depois da minha mudança, não tinha mais lido nada que ela escrevia. E porque eu estou falando na minha mudança? Exatamente porque a minha mudança física quebrou muitos padrões e derrubou muitas bandeiras que eu levantava e pela primeira vez me fez discordar de um texto da Tati.

No texto que e chama “Cansei de não ser sexy” ela fala: “Sou cínica e engraçadinha, Sempre achei que isso era o suprassumo do charme, mas cansei de ver meus mais esforçados raciocínios irem pro esgoto assim que uma mulher um pouco mais montada na fantasia de fêmea entrava no mesmo recinto… Não sei ser mocinha, não vejo graça nelas, não vejo graça nos homens que veem graça nelas e pior: acho que morreria de desgosto se tivesse que me portar tal qual uma sonsa de salto agulha e estrelinha no calcanhar…Até faço um tipo mais feminina-fatal quando SEI (ela escreveu em caixa alta mesmo) que vou ver um cara bacana e que me atrai. Agora não entendo a sexualidade lançada para o nada…Se vou até a padaria e não estou louca pelo padeiro, pra que botar salto, maquiagem e decotinho? Se vou para uma reunião de trabalho, pra que roubar atenção das minhas idéias para minhas pernas numa saia curta? Até fazia isso com 22… mas com 34?…e Tati vai finalizando o texto assim: Eu confio no poder do meu “jeito”  não confio é no bom gosto dos outros…”

 Entendi o que ela quis dizer no texto, entendi a critica aos padrões femininos que todas insistem em adotar  e seguir e que ela, como uma pessoa que tem seu jeito e não quer se deixar levar pelos padrões, acaba por não se encaixar. O problema não é você fazer esta critica, pois se você faz talvez de fato não aceite as imposições da sociedade e queira ser você mesma, agora o que eu não concordo é que em todos os momentos ela fala em ser assim pra um homem, um ponto bem marcante do texto é quando ela fala “Sou cínica e engraçadinha, Sempre achei que isso era o suprassumo do charme, mas cansei de ver meus mais esforçados raciocínios irem pro esgoto assim que uma mulher um pouco mais montada na fantasia de fêmea entrava no mesmo recinto” Porque eu penso que se você levanta a bandeira de que você vai ser você, mulher nenhuma se sente ameaçada por uma outra mulher que entre no recinto. Você tem domínio da situação e não se sentirá derrotada.

Eu tinha muito este discurso do texto, falava que não entendia os homens, que homem era tudo igual e que eles gostam de qualquer mulher desde que ela fosse bonita e estivesse com um decote ou uma mini saia e eu não aceitava aquilo de jeito nenhum, e sabe porque eu tinha este discurso? Por que eu não conseguia ser aquela mulher bonita e montada em um look sensual e convidativo. Eu tinha um problema comigo e por ter um problema comigo eu não aceitava o mundo, eu não aceitava os padrões, eu não conseguia nem conviver com eles e tudo me irritava.

Outro ponto interessante é quando ela fala que até faz o tipo feminina quando ela sabe que vai ter um homem que a interesse.  Bom, se você faz um tipo pra conquistar alguém, logo logo irá perder, pois não conseguirá sustentar o tipinho por muito tempo, e acho que vai mais além pois mulher inteligente tem muito o discurso de que vai fazer o homem conhecer ela e que assim ele vai se encantar, o problema é que essas mulheres inteligentes são cheias de monstros que as atormentam, elas não se aceitam e acabam espantando o cara super legal que ela conquistou. Os monstros estão dentro da gente, e se você não está bem com você mesma não vai conseguir se relacionar com ninguém.

Observo esse desespero em muitas mulheres, elas querem um relacionamento a todo custo, o cara olha pra elas e elas já imaginam o casamento, eu já fui assim, eu queria alguém, qualquer homem que fosse, hoje 35 kg a menos, feliz comigo por ter conseguido lutar contra mim mesma e por ter vencido sem me destruir entendo e consigo enxergar um monte de coisa. Na verdade a luta não é contra as mulheres que estão dentro de looks sensuais e em cima de salto agulha, a luta é contra você mesma, é o tão famoso “Bom combate” O problema do bom combate é que você vai se confrontar e precisa lutar contra você mesmo sem se destruir, precisa aceitar o que você quer, precisa falar pra você mesma os seus medos e precisa levantar e ir em busca de ajuda. O problema é a dificuldade em admitir pra nós mesmas os nossos problemas, a gente tem medo, a gente chora, a gente acha que não vai conseguir e depois de admitir que o problema é com a gente, ter que levantar e ir buscar ajuda é pior ainda!

Eu queria sim ser a mulher gostosa, eu queria sim sair pra padaria de decotinho, eu queria sim ser desejada, mas não pra conquistar quem quer que fosse, eu queria tudo isso porque eu queria estar bem, porque  no fundo eu invejava essas mulheres lindas e queria ser assim, quantos homens eu vou conquistar, vai depender de quantos estiverem dispostos a vir me conquistar e vai depender também da minha disponibilidade em conhecê-los, pois quando você está bem já não quer qualquer um, você quer aquele que some, que te complete. E quando você está bem, sabe diferenciar a noite de “só” sexo, da noite de to fazendo sexo com quero ficar.

Acho que nós mulheres temos que nos arrumar em primeiro lugar pra nós mesmas, e depois pra todo o resto, não é futilidade não! É ser você, hoje tudo pra mim é motivo de festa, eu estou bonita e sei que estou, então em primeiro eu me arrumo pra me sentir  vitoriosa, pois a minha beleza eu conquistei, sou bonita sim e me desculpe se você não se acha, pois beleza é uma questão se achar, de se sentir segura! Ou vocês acham que é fácil declarar a sua beleza? quando beleza, na verdade, é apenas uma questão de achar belo. O ser belo é aquele que se acha belo, mas pra ele mesmo,  e os outros ao redor passam a reconhecer aquela beleza e também se não reconhecer… o problema é de quem não achou (risos)

Por tudo isso eu não concordo com o texto da Tati, e eu não concordo pois já estive do lado que ela defende e hoje eu estou do outro lado. Identifiquei total com a mini saia no trabalho, pois dia desses eu fui de meia calça preta e vestido + salto, não deixe de ser Engenheira com mestrado em Estruturas, mas fui a engenheira com mestrado em estruturas + meia calça+vestido (curto) mais salto e fui muito feliz! Beijos Tati!

Onde você busca a felicidade?

Fazendo parte de uma mudança de vida, que está indo muito além de emagrecer, eu resolvi experimentar novas sensações. Temos a mania, defeito, problema, nem sei classificar o que é isso, de criar um pré-conceito sobre aquilo que não vivemos ainda, e assim acabamos deixando de experimentar sensações que talvez até  sejam maravilhosas, porém como não nos permitimos, acabamos perdendo grandes oportunidades.

E o pior é que criamos esses reflexos (de  isso é bom ou isso é ruim) obedecendo ao que os outros impõem que é certo ou errado. Eu resolvi quebrar tudo isso!! Eu tinha uma grande resistência à festa de aparelhagem, por achar que neste tipo de festa só tinha gente de baixo nível, não era nem pela música, era por este motivo mesmo, tipo eu não queria nem estar no mesmo ambiente que estas pessoas. Precisei viver, trabalhar e ganhar dinheiro pra entender que somo nós quem temos que dominar o dinheiro e não o oposto. Claro que uma festa de aparelhagem não é o tipo de festa do meu mundo, mas isso não torna esta festa menos ou mais do que as festas que eu estou habituada a ir, é apenas um tipo de festa pra um determinado público e isso não significa que aquele público seja pior do que eu, ou do que o público que freqüenta as boates que eu freqüento, que muitas vezes estão repletas de jovens que estão ali passando o cartão que o pai ou a mãe irá pagar a  fatura no final do mês, que chegam em caros de luxo que ganham dos pais por passar em uma faculdade particular pra cursar relações internacionais… Mas isso também não chega a ser um problema, pois se essas pessoas podem levar essa vida, ótimo! Existem pessoas e pessoas, histórias e histórias de vida! Não cabe a mim julgar quem é melhor ou pior, cabe a mim apenas buscar um local que me traga felicidade! é isso que tenho que buscar sempre.

Saindo desta festa de aparelhagem eu fui a uma casa de bolero! Isso mesmo, CASA DE BOLERO! rs sobre um lugar assim eu imaginava um lugar repleto de gente velha dançando bem devagar e ouvindo música bem chata, além é claro de que o lugar deveria ser bem feio! Tudo errado! Fiquei muito surpresa ao entrar e ver um local organizado, com muita gente da minha idade, tocando um monte de música que eu sabia a letra e com um salão repleto de casais de todos os tipos dançando.

Neste local alguns casais me chamaram atenção dentre eles tinha a senhora e o jovem moreno. A senhora deveria ter uns 65 anos e o rapaz uns 30, ele dançava no ritmo dela, conduzia-a e não desviava o olhar, fiquei olhando e meu amigo comentou que ele era pago pra dançar, fiquei impressionada com aquilo! Como assim pago pra dançar? Tipo elas os agendam e eles passam a noite com elas dançando (talvez outras coisas a mais tbm no final), isso me fez ficar pensando…, pensei em solidão e no que fazemos tentando “levantar o nariz pra fora da água e respirar”. Aquele rapaz  era o suspiro daquela senhora, não importa se ela tem que pagar pra ter ele, e se ela tem que pagar e pode pagar que ótimo!! Porque ele era lindo e estava ali com ela, o que acontece depois e se agora neste momento ele não está ao lado dela não importa também, ela queria respirar ali naquele momento: na casa do bolero, acompanhada de um jovem moreno (luxo) a conduzindo, isso também é vida, isso também é buscar felicidade, isso também é viver! Talvez uma forma diferente da qual eu (ou você que me lê) estamos acostumados, pois aprendemos que relações não podem nem devem envolver dinheiro (e olha o dinheiro ai novamente), mas se o dinheiro pode proporcionar o último “suspiro” daquela senhora, quem sou eu pra dizer que ela está errada?  Muito melhor do que ela estar na casa dela sozinha, pensando que a vida dela acabou.

Outro casal que me chamou atenção, na verdade 2, eram casais de jovens assim como eu, que simplesmente dançavam divinamente, parecia cena de filme, uma dança de salão linda!!! perfeita!!! Aquele era o momento deles, e ali em uma casa de bolero. Uma dança romântica, sensual sem ser, além de linda! No que isso difere dos outros casais ou das outras festas? Nada. Aqueles eram eles sendo felizes, se exibindo,  aqueles eram eles se conectando com eles mesmos, com a música, com os próprios corpos e com a vida.

E quando eu penso que já tinha feito todas as minhas observações um casal entra no salão, 2 idosos com seus  80 anos, dançando juntinhos, se conectando da mesma forma que o casal de jovens, porém de forma mais lenta, da forma deles, confesso que uma lágrima veio prestigiar aquele momento, lembre da música o último romance dos Los Hermanos “E ninguém dirá que é tarde demais, Que é tão diferente assim, Do nosso amor a gente é que sabe, pequena…”Eles não eram diferentes do casal jovem, ou daquela senhora, eles estavam buscando o último suspiro, eles estavam buscando a felicidade!

Voltei pra casa feliz por poder ter visto e pensado em todas estas coisas, me senti feliz por entender tudo isso, eu também só estou buscando ser feliz! Ahhh eu não voltaria em uma festa de aparelhagem, mas na casa do bolero…quem sabe rs.

Pintando o “sete”

Semana passada eu resolvi que queria pintar, fui a uma papelaria e comprei tela, tintas e 2 pinceis. Não entendo nada de pintura e desenho, apenas de desenho técnico por conta das aulas que constam no currículo de Engenharia civil, logo não sabia nem que materiais comprar. Que pincel serve para qual traçado, ou como fazer um efeito na tela, nada! Comprei tintas que no rotulo constava: Tinta para artesanato e escolhi 2 pinceis de preço mediano, nem muito baratos, nem tão caros, medianos!

Cheguei em casa, olhei pro material e ri, ri daquela ideia de pintar, nunca tinha tido esta necessidade antes, então porque agora? Mas como eu entrei em uma nova fase eu abracei a ideia. Resolvi que não pintaria naquele dia, pois um artista precisa de Inspiração (eu sou artista? ) Uma tarde eu pensei: é hoje! Peguei as telas, arrumei as tintas, arrumei os pinceis, coloquei água em um recipiente (não sei bem ao certo porque, mas achei que iria precisar de água pra limpar os pinceis e pra diluir a tinta) e estava ali pronta pra receber a inspiração. Saiu isso:

1 2 3

Gostei dos resultados, a primeira já nem está mais comigo, dei de presente a um grande amigo, achei que combinava com ele e ele por sua vez, dentre as três, gostou muito dela.  Depois destas vieram mais 3 que confesso são minhas queridinhas , amei elas, fiz com todo carinho e pensando nas coisas mais lindas do mundo!

Essa já tem dono :D Vai pro amado DWCMendes

Essa já tem dono :D Vai pro amado DWCMendes

Essa me lembra Natal *-*

Essa me lembra Natal *-*

Essa é a minha preferida, desenhei pensando no DWCMendes <3

Essa é a minha preferida, desenhei pensando no DWCMendes <3

Não sei se o que eu desenho está certo, nem sei se existe um certo, não entendo nada de técnica de pintura, não sei se essas telas estão horríveis, mas sei que eu estou adorando pinta-las :D Tenho chamado isso de amor. Descobri que as melhores coisas saem da gente sem incentivo de ninguém, é uma busca solitária mesmo, o problema é que parece errado andar sozinho, parece errado ficar no silêncio, parece errado estar só em uma sociedade onde todos andam acompanhados. Eles andam acompanhados, mas não se entendem, se entediam, mas acham que é assim que devem viver e acabam tentando nos fazer achar que é assim que devemos viver também. Estou descobrindo tanta coisa sobre mim, tenho olhado as cores com outros olhos, alias tenho optado pelas cores.

As cores são mutáveis se você misturar o vermelho com o amarelo gera um lindo laranja. Mas não espere que parem pra misturar pra você, misture você mesmo e sozinho. Quero viver assim, me misturando a várias coisas, e gerando os mais belos resultados.

Sobre estar feliz

Desde que comecei a perder os primeiros kgs eu já sabia que este procedimento iria mudar a minha vida, eu só não sabia dimensionar o quanto! Eu to feliz por nada, eu sorrio pra vida, eu encaro a vida e arrisco até a dizer que eu estou intimidando-a. Se há alguns meses atrás me falassem que minha vida iria mudar tanto eu não acreditaria, eu “ando prestando atenção em cores” eu estou escutando o canto dos passarinhos, eu vou pro meu trabalho feliz, eu volto pra casa feliz, eu canto uma música em inglês sem nem saber pronunciar as palavras e isso é o máximo, eu não estou sentindo saudade, simplesmente, porque não tem espaço pra sentimentos assim.

Eu estou prestando atenção em mim, eu estou ocupada cuidando de mim, e não!, isso não é egoismo, isso é amor próprio. Eu passo horas me olhando no espelho e me acho linda (mesmo ainda tendo que perder cerca de 30 kg) eu não ligo pros kilinhos (rsrs) a mais, eu fiz o meu, eu fiz por mim, eu dei o primeiro passo!  Eu encontro as pessoas e elas comentam o quanto eu estou magra, o quanto eu estou linda, o quanto que o meu rosto está diferente, mas não é só diferente é “iluminado” e não é o iluminador que está fazendo isso é o meu ser, é o minha existência, é a minha certeza de que tudo deu certo e que daqui pra frente e pra menos, menos choro, menos sentimentos ruins, menos coisas tristes…enfim…menos tudo que era ruim! Eu reduzi sim, mas eu reduzi aquela solidão de dentro do meu peito, talvez ainda exista um buraco dentro dele, mas hoje quando o vento passa por esse buraco faz o barulho de um assovio e esse barulhinho sempre faz com que alguém me olhe e me olhando a pessoa sorri.

Já falei do meu sorriso? Ele continua o mesmo, a diferença é que hoje ele se mostra mais, ele continua sincero e se abrindo pra quem realmente é merecedor, mas hj eu consigo dar um sorriso pra quem não conheço, pois meu sorriso é muito belo e as pessoas precisam de coisas belas nas suas vidas! Eu estou admitindo que eu sou bela e estou passando a aceitar o amor que me dão, eu só tenho que sentir esse amor, não preciso agradecer apenas corresponder.

Hoje eu acordei com o sentimento de que precisava de coisas novas na minha vida, acordei com o sentimento de que eu precisava de mais arte, de mais emoção, de mais motivação e resolvi sair pra comprar material de pintura, sim!, eu quero pintar, quero pintar uma tela e escrever o que aquela pintura significa e quero presentear meus amigos, quero que eles guardem um pouquinho dos meus pensamentos, alias eu quero externalizar meu pensamentos em imagens sobre telas de pintura. Isso parece loucura, mas é só vontade de viver, de sentir, de pensar. Nunca me senti tão cheia de vida como me sinto hoje. Quero ser feliz e hoje estou crente de que isso é realmente possível. A felicidade, realmente, só depende da gente.

Transformação

Hoje fazem 36 dias que fiz minha primeira cirurgia. E óbvio que eu não poderia fazer essa estréia sem um grande espetáculo, então a minha primeira cirurgia foi logo uma redução de estomago, que me fez ficar 30 dias em casa me recuperando e acabou por mudar todos os meus hábitos e acabou mudando todo o meu ser.

Não me reconheço na hora das refeições, por ter que tomar café as 7:00, lanchar as 10:30, almoçar às 12:30, lanchar as 15:00 e jantar as 18:30 eu acabo tendo que ter toda uma agenda muito bem organizada. Agora eu chego do trabalho, tomo banho e vou dormir, pra acordar bem cedo e fazer tudo que eu faria de madrugada (ler blogs, postar no facebook, ler uma pagina de um livro, ouvir música, ou arrumar alguma coisa do trabalho), depois tomo meu antibiótico receitado pelo médico e um tempo depois tomo meu café na medida exata que a nutricionista passou. Depois dessa rotina eu lancho, mas normalmente esqueço de lanchar hehe (não sinto nada, nem fome), religiosamente na hora de almoçar eu sento à mesa e como as exatas 80 g que a nutricionista recomendou, mas como sou uma mulher moderna, que trabalha e tem seus compromissos, eu cozinho tudo no domingo à noite e guardo em potinhos de plastico na geladeira, durante a semana é só retirar e comer. Na parte da tarde tem o lanchinho que das opções que ela me deu, o meu preferido é a ameixa fresca sem casca. Como trabalho no turno da noite eu levo meu jantar pro trabalho e como antes de entrar em sala. Esta é minha rotina hoje, totalmente diferente da loucura que era antigamente, comendo na hora que eu queria, lanchando na hora do almoço e almoçando na hora do lanche. E tomando cerca de 1L de refrigerante (Meu Deus, como eu vivia?)

Antes...

Antes…

Depois.

Depois.

Ingredientes pra comidinha

Ingredientes pra comidinha

Preparando Camarão. Dos pratos é o que mais amo. Apenas 4, e eu faço os exatos 4 hahaha

Preparando Camarão. Dos pratos é o que mais amo. Apenas 4, e eu faço os exatos 4 hahaha

Comidinha pronta.

Comidinha pronta.

Sempre tem suco natural na geladeira, os que mais gosto são: uva (natural, senta na minha riqueza!! brinks tomando tão pouco nem gasto tanto hahaha), laranja e abacaxi hummm amo! Pausa para os gastos, achei que iria gastar mais com essa dieta, pois só o adoçante que deve ter no máximo uns 30 ml é 7 dilmas esterlinas, mas que nada! to economizando metade do dinheiro que eu gastava com comida antigamente, isso mesmo!! METADE!! (será que eu comia? e olha que vivo sozinha) mas tbm eu comia muito fora, e isso faz com que a gente gaste muito. Pra fazer esta cirurgia tive que me preparar financeiramente, pois gastei tudo que eu tinha!! Resolvi operar em outro estado, então eram passagens e mais passagens, compradas em cima da hora,  pra ir para as consultas, fazer os exames, paguei parte da cirurgia e depois com dieta, remédios, enfim… ficar saudável e perder peso gasta!! Mas olha… tudo valeu a pena! to pobre, mas estou feliz hahaha e pra que serve o dinheiro se não pra nos servir?!

Quanto a recuperação foi tudo muito tranquilo, nunca passei mal como diziam que a gente passa, meus pontos já estão todos fechadinhos, foi uma recuperação maravilhosa mesmo!! As únicas crises que tive foram por não me dar conta que de fato estou perdendo peso e achar que não tinha valido a pena, mas isso é coisa de psicológico e ai o negócio é mais sério. Precisei de fotografias do antes e depois pra me dar conta que de fato eu estava emagrecendo e estava bom. Até agora perdi 15 kg, to super bem, me achando linda! E pensando que estou apenas no inicio, até as plásticas (decidi fazer, se é pra ficar bom, vamos fazer tudo que deve ser feito!) eu ainda devo perder muito mais! Na 2º quinzena de Maio eu estou liberada pra malhar e eu não vejo a hora de começar. Tem também a dança que irei começar… Resolvi me cuidar, já chega de colocar tudo e todos na minha frente!

20130501182402526-1

Antes e Depois: Corpo

Antes e Depois: Rosto

Antes e Depois: Rosto

E é isso…beijos

IMG_20130430_135433

 

28 anos

IMG_20130420_195911

 

Ontem fiz 28 anos e fiquei pensando no quanto a minha vida mudou: preferências, gostos musicais, amigos, cidade, amores, até o peso eu mudei. Fiquei olhando-me no espelho e chorei (assim como estou chorando agora). Sempre achei que nesta idade eu já estaria casada e com filhos, achei que eu já teria uma vida estabilizada tanto financeiramente quanto sentimentalmente, achava que no Natal eu teria uma família pra mostrar, achava que já estaria educando alguém pra este mundo e que poderia ensinar esta criança a crescer sem os medos que eu sentia quando criança. Mas nada disso aconteceu…

Muitas vezes acho que sou expectadora da minha própria vida, até estava me conformando com isso, mas é quando vem um pensamento me sacudindo e perguntando que vida é essa onde quem deveria ser ator principal se conforma com o papel de coadjuvante?

Outras vezes acho que vim pra esta vida apenas pra observar e analisar, não que minha analise deva ser levada em consideração, não! Uma analise pra mim, pra me fazer evoluir e me tornar um ser humano melhor. Dia desses sai e me afastei das pessoas do local para o qual eu fui, e fiquei horas apenas observando-as, vez ou outra eu mexia meus pés ou mãos pra fingir que estava interagindo com a sociedade que ali estava dançando, mas na verdade eu só estava os observando: seus jeitos, a forma como bebiam, a forma como dançavam, fiquei pensando se eu me encaixava naquela dinâmica, cheguei a conclusão que não, mas o fato de estar ali observando e chegando a essas conclusões já me fazia feliz, já me fazia sentir ser parte sem ser e se eu conseguia isso já me dava por satisfeita.

Penso que as coisas acontecem, sim!, nós que não sabemos interpretar, por estarmos acostumados apenas com uma forma pra tudo. Aos 28 eu queria casar e aos 28 fui madrinha do casamento de um irmão. Estava lá no altar acompanhando-o, acompanharei esta união pra sempre (amém), tenho uma responsabilidade de madrinha para com eles, terei que sempre cuidar deste casal pra que eles continuem esta união, e o que é o casamento? Não é cuidar? amar? respeitar? Eu tenho tudo isso aos 28 anos, então será mesmo que é só casando que eu terei um “casamento?” O filme O sol da Toscana fala sobre isso, sobre como temos tudo que queremos bem ao nosso lado, basta sabermos enxergar as formas que Deus nos manda. No filme certa hora a atriz principal fala que quer um casamento na casa  dela, mas ela achava que deveria ser ela a se casar lá, a história vai se desenrolando e ela apoia um casal jovem a viver seu amor, e faz a festa de casamento deles na casa e olhando pra festa ela pensa que queria um casamento naquela casa e o casamento estava acontecendo, ela fica feliz, afinal o que ela queria estava acontecendo. Talvez eu tenha que passar a ver as coisas com outros olhos, para de pensar que só existe uma forma de acontecer pra tudo.

Quero afastar de mim meus traumas e meus fantasmas,pois só assim conseguirei olhar sem medo para todos os lados. É isso que eu desejo!

Dose Dupla

Enfim defini as novas tatuagens que gostaria de ter e fui tatuar! Decidi por uma frase “Nasceu e, vivendo, amou. E amando não quis parar.” e uma coroa de princesa. Bom com a frase eu quis dar a ideia da sequencia do amor: nascemos, vivemos, aprendemos a amar, nos decepcionamos e dai passamos por uma das grandes escolhas da nossa vida: continuar amando ou declinar. No meu caso optei por amar, dai a frase terminar por ” e amando não quis parar.” Eu tomei como base a frase: Nasce, cresce, reproduz e morre. Eu acho essa sequencia bonita, mas ela deveria ser mais trabalhada, dai eu fiz a minha sequencia do amor, passei dias pensando em uma frase, escrevi várias com essa ideia, umas longas demais, outras sem tanto significado até que cheguei nesta, com a ajuda de um amigo fofo que entendeu e me ajudou a trabalhar a ideia.

Explicação: Nascemos e vivemos, como um curso natural, vamos aprendendo a amar (o aprendendo foi suprimido, pois a frase ficaria longa),pois não nascemos amando nada, acho que já escrevi sobre isso aqui. Então, neste amar, podemos nos decepcionar, somos traídos  fazemos escolhas erradas e muitas pessoas acabam se fechando pro amor, e ficam muito inacessíveis, mas é opção delas e somente delas, continuar amando, ou seja, continuar fazendo escolhas, pois a vida é isso, um eterno jogo de escolhas. Acho até que a vida tem que ter este moto pra impulsionar tudo e transformar tudo mais interessante.

Não quero ser hipócrita, aqui, e falar que eu amo infinitamente a tudo e a todos ou que eu me deixo ser amada, não! Eu já me decepcionei demais nessa vida (ainda bem que estou nos quase 30 e posso falar isso, pois eu novinha tava ficando estranho) e sei que sou muito fechada às oportunidades, seja ela de onde vier, até aos meus amigos eu sou barrista. Estou muito mais acostumada a amá-los do que a receber amor deles, mas quero que isso mude, quero ser alguém pra se amar e quero que me amem, quero que demonstrem e pra isso eu estou me transformando eu estou tentando!

Falando da segunda 3º tatuagem (sim, eu me fiz de moleca doida e tatuei logo 2) a coroa foi mais uma brincadeira, queria um toque bonitinho no pulso, não tem uma explicação filosófica como minhas outras 2, mas coroa em si já tem uma significância, quer dizer soberania, domínio sobre si e eu achei bem interessante e combina bem com a minha vida.  ahh detalhe: quem escolheu a coroa foi o papai, mostre as que eu estava em dúvida e pedi a opinião dele e ele apontou pra esta, que eu nem tinha percebido, achei linda e não tive mais dúvidas, ia ser essa!

tatoo1

IMG_20130418_232253

Que Deus não permita que eu me apaixone!

Que Deus não permita que eu me apaixone!
Que Deus não permita que eu me apaixone!?
Que Deus não permita que eu me apaixone.
Que Deus não permita que eu me apaixone…

Eu sempre falo que diante de tudo que já me aconteceu minha opção continua sendo amar! Até disse esta semana que queria me apaixonar novamente, mas ao primeiro sinal de que ando pensando muito em um certo rapaz eu já comecei a profetizar “Que Deus não permita que eu me apaixone” Pois na verdade o que eu quero mesmo é que se apaixonem por mim, e que se eu me apaixonar que seja reciproco. Dai cada frase da minha profecia terminar com um ponto diferente e a última ter (…) não quero me fechar pro amor,quero me fechar pro amor unilateral.

Quero me conectar com alguém, quero analisar a vida e ter a certeza que meus pensamentos não vagam sozinhos, quero que escutem uma música e pensem em mim, quero escutar uma música juntos, quero ter uma frase em inglês com alguém, quero receber mensagens de madrugada perguntando se eu estou acordada e quero que tudo isso seja possível! Eu acho que mereço, mas me pergunto se estou preparada. Porque eu sempre pedi muito amor, mas hoje, analisando o passado, eu não teria sido capaz de amar. Pois pra amar a gente tem que estar preparada, a gente tem que ser auto suficiente, ai sim o amor dá certo e “vinga”

Esta semana ouvi a frase: “Tudo a seu tempo” Eu sei que tudo tem um tempo, mas fico sempre com medo do meu tempo demorar demais pra chegar. Ou fico com medo do meu tempo chegar e eu não me dar conta que ele chegou e acabar deixando as horas passarem, e isso tem haver com patetice mesmo (risos), eu ando chegando a conclusão que tem que ser esperto pra essas coisas de amor, e eu não sou nenhum pouco, nunca percebo nada e sempre percebo tudo errado(por favor cadê meu hitch?) As vezes acerto, mas acho que o cara não vale a pena hahahah bom mas vou confessar que sou “afobada” mesmo e quero tudo pra ontem (e eu nasci de 9 meses e mais alguns dias)

Bom, então: que Deus só permita que eu me apaixone se for reciproco.

14º dia

Hoje completo o 14° dia pós cirurgia bariátrica, no 11º dia me pesei e tinha perdido 7kg (achei pouco, pois não sei porque coloquei na minha cabeça que queria perder 1kg por dia rs), mas acho que 7kg é muita coisa, principalmente pra mim que com o passar do tempo só estava ganhando peso.

Bom, no dia do procedimento cheguei ao hospital às 11:30 como o médico indicou, ás 12h fui encaminhada para o quarto, a cirurgia estava marcada para às 17h, bom…estava pois muitos imprevistos aconteceram (não sei quais, pois a única informação que me passaram era que todas as cirurgias estavam atrasadas) e apenas às 22:20 um moço todo de azul (ou era verde? não lembro) foi me buscar no quarto naquelas macas que eu só tinha visto em filme (foi emocionante hehehe) ele ia empurrando a maca rápido e eu só via as luzes passando rápido pelos meus olhos, neste momento bateu um desespero, mas já não adiantava. Entramos no centro cirúrgico e me colocaram em um espaço onde li: preparação  para anestesia (mas não me anestesiaram naquele momento, chatiada hahah) alias nem sei pq paramos ali, pois logo me levaram pra sala de cirurgia. Na sala colocaram uma meia nas minhas pernas e uma toca na minha cabeça, eu escutava as risadas das pessoas e o meu médico falando pra alguém assim: olha fica com ele, pois ele é funcionário público, vai se aposentar cedo e todos riram, pensei: como podem estar tão alegres minutos antes de me cortar??? e quem disse que funcionário público se aposenta cedo?  Confesso que foi um pouco bom ver que pra eles era apenas mais um procedimento e sendo assim eles sabiam exatamente o que iriam fazer.

Bom, então começaram a pegar os materiais e eu ouvi uma senhora perguntar: qual o plano dela? responderam: Unimed. E a senhora que perguntou falou: graças a Deus (???) e começaram a falar um bando de materiais que eu não conhecia, foi quando a minha anestesista entrou e perguntou como eu estava e eu respondi que bem, ela estava com uma agulha na mão e quando ela foi injetando no soro (que já tinha me aplicado) foi questão de segundos, mas eu passei a não sentir as pernas e não lembro mais de nada! Quando vi o mesmo homem que tinha me pegado no quarto estava me segurando e falando: respira pelo nariz e calma, eu tinha acordado e foi a pior sensação que eu já tive na minha vida! Eu não conseguia respirar direito e estava sentindo uma dor, misturada com agonia, boca seca e assim eu cheguei no quarto, estava muito agoniada, lembro de ter visto a enfermeira e ter pedido pra ela me salvar hehehe, sim eu achava que ia morrer, ai ela riu e disse que aquilo tudo ia passar e eu respondi: eu sei que vai passar só não sei quando (eu sempre fanfarrona). Bom, então a boa enfermeira começou a aplicar umas seringas no soro e aquele mal estar foi passando, mas não consegui dormir, dormia e acordava. E assim amanheceu.

Ao amanhecer, e mais ou menos lá pelas 9h meu médico foi me visitar e disse que eu teria alta ás 12h, nem acreditei!! fiquei feliz. Ele deu as recomendações que eu deveria seguir, vim pra casa e assim estou vivendo: só líquidos até o15º dia, do 16º ao 30º líquidos combinados com alimento pastoso, 31º dia ingerir sólidos recomendados pela nutricionista e 40º dia começar a malhar.

De tudo que eu fiz na vida certamente esta foi a decisão mais difícil  tive que ter muita coragem pra fazer essa cirurgia, pois tudo que eu pensei está acontecendo, lógico que não está sendo fácil, lógico que eu estou louuuca pra comer um pão com queijo, pra comer um chocolate, pra sair e almoçar fora, ou pra ir no sushi, sei que um dia voltarei a fazer tudo isso e busco forças na moda pra seguir neste objetivo. O leitor mais atento deve se perguntar: na moda??? lóoogico! Dia após dia eu consigo voltar a vestir uma roupa, ou usar uma roupa que comprei e nunca consegui usar e isso sim é felicidade! Meus sapatos estão ficando folgados e cada vez mais confortáveis. Já consigo andar de salto!!  Hoje vesti um vestido G da Malvee, um que eu comprei e usei apenas uma vez, e quando usei, usei como blusão, hoje ele me serviu com a função para a qual foi costurado: um lindo vestido rodado. Essa coisas me deixam feliz, estou conseguindo dormir super bem, não fico mais me acordando e me engasgando como era antes, definitivamente essas coisas estão me dando forças e me deixando muito feliz e se o preço é ficar tomando líquidos em um copinhos de 80 ml vai ser isso.

Todo o Resto

Senta que este post é loooongo!

Esses dias comprei um livro da Martha Medeiros o Coisas da Vida, livro que reúne vários textos curtos e que como o nome diz, falam e nos fazem refletir sobre a vida(dããã haha) . Um deles me chamou muita atenção e está reproduzido ai em baixo (espero que não me processem por isso hehe). Me identifiquei muito com o texto pois até então eu me perguntava se eu estava certa ou errada nessa vida, e nunca sabia a resposta, Martha me deu a resposta eu sou “todo o resto” (engraçado que eu sentei na frente do computador pra escrever um artigo pra um congresso e to aqui falando de Martha Medeiros hahaha, bom, mas isso não interessa..)

Eu fiz tudo que tinha que ser feito, ops espera ai…quase tudo! Vamos lá, nasci, cresci, estudei, nunca repeti de ano, mas não passei de primeira no vestibular, fiz cursinho, passei em engenharia civil, terminei o curso em 4,5 anos, mas oficialmente em 5 anos, passei no mestrado de prima (aeeeee), conclui o mestrado em 2,5 anos, mas oficialmente em 2, aos 25 fui chamada em um concurso público e lá me encontro. Beleza, o leitor atento (meu orientador adorava escrever isso: e o leitor atento já deve ter percebido que o cálculo se dá por…e eu nunca tinha percebido, mas isso tbm não interessa) deve estar se perguntando porque eu não me enquadro no “certo” pq eu nunca engatei um relacionamento sério, portanto sou solteira, logo casamento não tá nem cheirando perto de mim, moro sozinha, e vivo muito bem. OK! qual o problema? Na verdade nenhum, pra mim, pra vc que é mais esclarecido, porém total quando a gente extrapola pra “sociedade” e que sociedade é essa? a da minha mãe, a da sua mãe a das nossas avos. Não interessa o quanto você cresceu profissionalmente, sempre vão perguntar primeiro se vocês esta namorando ou se já casou. Ninguém me pergunta quantos artigos já escrevi, quantos ensaios no laboratório eu fiz, quantas palestras já apresentei ou quantos projetos tenho aprovado perante o CNPQ, as pessoas perguntam se eu já casei?!?! Isso quando não acham que eu sou lésbica (coisa que por sinal eu nem me importo se pensam ou não)  o que no meu caso é muito fácil, visto que de casa 1 amigo meu, 1 é gay :D e isso acaba parecendo errado e você se sente errada, mesmo não sendo…então o que eu sou “todo o resto” todo o resto que já superou essas cobranças sociais e hoje só que ser feliz…Mas deixa de papo, leia o texto ai em baixo porque ele é muito lindo.

“Existe o certo, o errado e todo o resto.” Esta é uma frase dita pelo autor Daniel Oliveira representando Cazuza, em conversa com o pai, numa cena que, a meu ver, resume o espírito do filme que esteve em cartaz até pouco tempo. Alias, resume a vida.

Certo e errado são convenções que se confirmam com meia dúzia de atitudes. Certo é ser gentil, respeitar os mais velhos, seguir uma dieta balanceada, dormir oito horas por dia, lembrar dos aniversários, trabalhar, estudar, casar e ter filhos, certo é morrer bem velho e com o dever cumprido. Errado é dar calote, repetir o ano, beber demais, fumar, se drogar, não programar um futuro decente, dar saltos sem rede. Todo mundo de acordo?

Todo mundo teoricamente de acordo, porém a vida não é feita de teorias. E o resto? E tudo aquilo que a gente mal consegue verbalizar, de tão intenso? Desejos, impulsos, fantasias, emoções. Ora, meia dúzia de normas preestabelecidas não dão conta do recado. Impossível enquadrar o que lateja, o que arde, o que grita dentro de nós.

Somos maduros e ao mesmo tempo infantis, por trás do nosso autocontrole há um desespero infernal. Possuímos uma criatividade insuspeita: inventamos músicas, amores e problemas, e somos curiosos, queremos espiar pelo buraco da fechadura do mundo para descobrir o que não nos contaram. Todo o resto.

O amor é certo, o ódio é errado, e o resto é uma montanha de outros sentimentos, uma solidão gigantesca, muita confusão, desassossego, saudades cortantes, necessidades de afeto e urgências sexuais que não se adaptam às regras do bom comportamento. Há bilhetes guardados no fundo das gavetas que contariam outra versão da nossa história, caso viessem a público.

Todo o resto é o que nos assombra: as escolhas não feitas, os beijos não dados, as decisões não tomadas, os mandamentos que não obedecemos, ou que obedecemos bem demais – a troco de que fomos tão bonzinhos?

Há o certo, o errado e aquilo que nos dá medo, que nos atrai, que nos sufoca, que nos entorpece. O certo é ser magro, bonito, rico e educado, o errado é ser gordo, feio, pobre e analfabeto, e o resto nada tem a ver com esses reducionismos: é nossa fome por ideias novas, é nosso rosto que se transforma com o tempo, são nossas cicatrizes de estimação, nossos erros e desilusões.

Todo o resto é muito mais vasto. É nossa porra-louquice, nossa ausência de certezas, nossos silêncios inquisidores, a pureza e a inocência que se mantem vivas dentro de nós mas que ninguém percebe, só porque crescemos. A maturidade é um álibi frágil. Seguimos com uma alma de criança que finge saber direitinho tudo o que deve ser feito, mas que no fundo entende muito pouco sobre as engrenagens do mundo. Todo resto é tudo que ninguém aplaude e ninguém vaia, porque ninguém vê.”

Martha Medeiros

Retirado do livro de crônicas “Coisas da Vida

AMANHÃ

Amanhã é o dia da minha cirurgia Bariátrica e eu estou mais que ansiosa!! Essa cirurgia representa o inicio de uma vida sem remédios pra diabetes e hipertensão em plenos 27 anos; Representa ter mais qualidade de vida, como subir e descer as escadas do trabalho, de casa ou de qualquer lugar que eu vá sem me sentir tão cansada a ponto de ver o coração saltar pela boca; Representa conseguir andar sem que os pés inchem; Representa conseguir comprar roupa em lojas pra pessoas “normais” pessoas nos “padrões” da industria da costura (Farm que me aguarde!); Essa cirurgia representa poder fazer coisas simples como abaixar pra amarrar um sapato ou andar em um salto alto.

Quando, uma jovem de 27 anos, fala que vai fazer esta cirurgia, a primeira coisa que falam é: vai ficar linda e arrumar um namorado… quando na verdade pensam: “Quer emagrecer e casar”… Ouvi essas falas e interpretei estes pensamentos em muitas pessoas que conversavam comigo, nunca falei o que pensava, pois esse motivo é o menor de todos os motivos, lógico que mais magra, mais bela e em roupas mais lindas, você atrai os homens mais belos, mais bem sucedidos e que causam inveja em qualquer mulher. Mas o que nem passa na cabeça dessas pessoas é como é o dia a dia de um obeso morbido, porque é isso que sou! são noites mal dormidas, são cadeiras reforçadas, são sapatos sem salto, são remédios pra diabetes, hipertensão, é o seu figado que se encontra “gordo”…enfim, são mil problemas que este problema de ter ou não um namorado (e eu, sinceramente, nem acho que não namoro pq sou gorda…) se torna o menor de TODOS os seus problemas REPITO: DE TODOS OS MEUS PROBLEMAS. Mas eu entendo a ignorância das pessoas “normais” apenas acho que antes de falar algo elas deveriam refletir na suas falas pra que não parecerem idiotas ao meu ver (pq era isso que muita gente me parecia!).

Sei que não é só o procedimento que vai fazer eu mudar, é toda a minha força de vontade depois dele…Mas como bem disse meu pai: minha filha, você já venceu tantos problemas, hj consegue fazer exatamente o que você quer…vais mesmo perder pra vc? Porque só depende de você! E é verdade, pois só depende de mim e se só depende de mim, vou conseguir! Nada na minha vida foi fácil, graduação, mestrado, concursos, projetos…não é esta etapa que tem que ser… Vou e quero voltar a sentir aquela adrenalina do não vou conseguir e depois aquele alivio do consegui. Amanhã é o inicio…

IMG_20130323_173654

Só não posso emagrecer esse sorriso :D

O primeiro “Eu te amo”

Estava pensando na vida, nas coisas importantes que já fiz e comecei a fazer a seguinte lista:

“… A aprovação no vestibular, o 1º artigo nacional, o 1º artigo internacional, a 1º bolsa de pesquisa, a aprovação no 1º concurso, o 1º emprego, o 1º Eu Te Amo… (por amar)… e parei.

Depois de cada coisa que eu tinha feito pela 1º vez eu pensava nas seguintes e depois do 1º eu te amo eu parei e pensei: Falei isso apenas uma única vez e quando tinha 16 anos e até hoje lembro a cena. CN VIII, rua da providência (eu sabia que o encontraria passando por ali naquele horário) e eu falei: Tenho que te falar que te amo…e depois disso, que também foi a 1º decepção amorosa eu nunca mais falei que amava ninguém (pai, mãe, david e leiloca não estão contando).

Daqui a exatos 31 dias eu estarei fazendo 28 anos, e se passaram esses anos todos e eu nunca mais falei pra nenhum homem (eu te amo). Na verdade eu falei sim, no final de 2011 eu disse um eu te amo pra um homem (aquele que eu já contei a história aqui), mas esse foi um Eu te amo desesperado, um Eu te amo quase em um tom de Por favor não me deixa… Quando eu falei Eu te amo pela 1º vez, foi sem pensar, foi ingenuo, foi como nunca mais foi, foi como deve ser, foi pro amor que eu chamo de amor inocente, foi para aquele amor que é o seu primeiro…aquele que você esquece depois.

Não me faz falta não ter falado vários “eu te amo”, mas me dá medo! Me dá medo pois isso mostra a minha cautela pra falar estas palavras tão simples, e eu nem vou começar com a análise de “mas o que é o amor?” E se eu tenho sido tão cautelosa nestes anos todos, eu tenho medo de um dia querer falar e emudecer e emudecendo sumir.

Mas analisando também quem passou pela minha vida, acho que só um mereceria escutar este “Eu te amo”, um dia acho que ainda falo, demorou 8 anos para que conseguíssemos nos  falar, mais 8 pra um Eu te “amei” verdadeiro não seria quase nada. Sinceramente acho que eu te amo são só palavras, mas falar/escutar/deixar de falar/não escutar mudam todo um curso, mudam as direções, mudam pelo menos as lembranças e não te fazem ficar pensando em quantas vezes você falou ou quantas vezes você deixou de falar. Passam simplesmente a fazer parte da sua vida. Eu deixei de viver muita coisa que se talvez eu tivesse prestado mais atenção, teria acontecido e feito toda a diferença. Mas acho que aconteceu tudo que tinha que acontecer, hoje eu já consigo pensar assim.

E só pra não deixar este post meio que sem fim, eu disse um eu te amo pra mim mesma e isso me impulsiona a fazer as melhores coisas pra mim, este ano começou assim, eu por mim mesma e olha tá sendo um dos melhores anos e estamos apenas em março… imagina quando chegar dezembro :) (e foi exatamente pensando nesse amor por mim, e nas coisas mais importantes que fiz que pensei nas palavras “Eu te amo”)

Sdds

Saudades do cupuaçu do qual não gosto do sabor, sdds de dançar reggae, sdds de passar na frente da cairu e parar pra tomar só um sorvetinho, sdds de ligar e falar “to passando ai”, sdds de mamãe abrindo a janela do quarto enquanto estou dormindo e ainda desligar o ar, sdds de chuva, sdds dirigir muito até chegar no local que eu queria, sdds de tomar “bença” da vó, sdds de tia pedindo ajuda no pc, sdds de rampa de shopping, sdds de pensar no futuro como se ele fosse algo muito longe e inalcançável, sdds de mim com 19 anos, saudades de 2008, sdds de shake de amor, saudades da sensação de que não iria conseguir e saudades do alivio de conseguir, sdds de “mãe, como está a minha roupa?”…sdds de ficar imaginando como seria a minha vida daqui a 10 anos…
E que bom que está sendo exatamente como eu imaginei: ficar aqui sentindo saudade de tudo isso sentada na sala de casa e me sentindo feliz.

Chegando a hora

Bom, ainda não tinha tocado no assunto, apesar de já ter citado em algum post solto por ai. Enfim depois de muito pensar eu resolvi fazer a cirurgia bariátrica, apesar de sempre ter sido meio que contra o procedimento, por pura ignorância do que era. Tudo começou depois que peguei uma queda e resolvi ir ao médico ver se tudo estava bem, logo que cheguei no consultório a médica ficou me olhando e eu percebi que ela não estava muito interessada nas minhas peripécias que acabaram me levando ao tombo. Terminei de falar e ela mandou que eu deitasse que ela ia me examinar… Nesse momento pensei: bom ela vai ver a minha cabeça, e pra minha surpresa ela começou a pegar na minha canela =/ e começou a fazer um monte de perguntas  relacionadas a alimentação e a quanto tempo eu não malhava e blablabla… Quanto levantei ela perguntou sobre meu sono e minha disposição pra trabalhar (e neste momento eu quase abraço ela e conto todos os meus problemas) e então ela começou o discurso intitulado  VOCÊ TEM QUE PERDER PESO! Passou uma bateria de exames e eu sai do consultório (sem ter minha cabeça examinada) com apenas uma certeza: eu teria que resolver a minha vida!

Sai e comecei a dirigir pela cidade, fiquei pensando na minha vida e no quanto que o fato de perder peso era um problema, mas não era um problema pequeno, era Ô problema da minha vida e então eu estacionei o carro e liguei pra minha mãe pra contar a grande decisão que eu tinha tomado: iria reduzir o estomago. As únicas palavras dela foram: tu já decidiu fazer isso? respondi que sim e ela disse que já esperava que um dia eu fosse tomar essa decisão. Ali se iniciava um projeto que mais tarde seria intitulado de #projetoNatasha2013 (nome dado pelo meu cirurgião)

Marquei com um médico que já tinha operado um conhecido, exatamente por saber que ele já o tinha operado e que hoje ele está bem, logo tudo tinha saído como deveria sair e iniciei o pré operatório na 2º quinzena de dezembro. Fazer este pré-operatório não foi fácil, eu precisava de 5 laudos: Psicológico, nutricionista, cardiologista, endocrinologista e pneumologista, além de uma avaliação com o anestesista e alguns exames.

O primeiro Laudo que recebi me liberando pra cirurgia foi o laudo da nutricionista, passamos uma hora conversando sobre a dieta e sobre a cirurgia e ao final ela me liberou, o segundo laudo que peguei 1 dia depois foi o da psicologa, com a qual ainda agendei umas seções posteriores, e então eu achei que tudo seria assim bastante fácil…doce ilusão! Vieram as festas de fim de ano e com estas as viagens dos médicos e suas agendas lotadas na volta das festas…e eu fui começando a ficar agoniada, pois meu tempo estava acabando e eu teria que voltar pra macapá. Foi então que consegui consultar com o cardiologista e a pneumologista e cada um passou 2 exames pra que pudessem me avaliar e verificar se eu poderia ser liberada, até então não consegui marcar a consulta com a endocrino, simplesmente porque não consegui uma endocrino, mesmo particular (fica a dica pra quem está estudado medicina, prfvr estudem endocrinologia na residência!) e eu voltei pra macapá e resolvi fazer os exames aqui e fazer o retorno com médicos daqui e já levar tudo pra belém.

Todos os exames foram tranquilos, até a espirometria que eu achei q não ia conseguir fazer, eu consegui (créditos ara o técnico que além de gathenho sabia fazer o exame muito bem) com quase tudo feito eu “empaquei” na endoscopia… Nossa! que exame mais horrível, tentei faze-lo por 2 vezes, todas sem sucesso, pois o sedativo simplesmente não fazia efeito em mim, foi quando a técnica conversou com o médico e eles resolveram fazer uma combinação de 2 sedativos, só depois disto que eu consegui realizar o exame. Não recomendo pra ninguém, portanto se cuidem pra não ter nada no estômago, porque endoscopia é a pior coisa do mundo!

Bom e então com todos os exames em mãos eu enfim consegui uma consulta com a endocrinologista que quando viu meus exames disse que NÃO ia me liberar pra cirurgia, pois eu tinha esteatose grau II e ela achava que eu deveria me cuidar disso antes de fazer a cirurgia… só que ela falou uma coisa que ela jamais deveria ter falado (pra mim): da minha parte tá tudo bem, mas essa esteatose me preocupa, portanto não vou liberar e eu pensei: se da parte dela está tudo bem significa que o figado não é parte dela e como eu já estava com tudo perdido falei:

-Dra (e eu nunca chamo médicos de doutores, pq eles são médicos e não doutores. pq doutor é quem tem doutorado, mas vcs sabem…) mas a sra tem que e dar o laudo da sua parte mesmo, não é? por exemplo eu sou engenheira e se eu for dar um laudo darei apenas um laudo sobre engenharia civil, então porque a senhora não me dá um laudo só da sua parte e deixa a outra parte pra quem de direito…

Nessa hora eu vi sangue saindo dos olhos dela e ela respondeu que um gastro tinha que ver meus exames…e mais uma vez pensei rápido e sem mais nada a perder eu falei: meu médico é gastro e cirurgião, ele pode decidir sobre.. ela ficou me olhando e eu já sabendo que dali não iria sair nada eu levantei (triste, quase chorando) e foi quando ela puxou um bloco e escreveu um laudo de liberação DA PARTE DELA ficando a critério de um gastro a liberação final, estendei o laudo e disse: boa cirurgia! \o/ quase vou pra trás da mesa e a abraço… peguei o papel da mão dela e agradeci…ela ainda foi legal, passou uns remédios que segundo ela iriam me fazer bem… e eu sai dali mais que feliz!!

Com tudo em mãos eu viajei pra belém pra entregar tudo pro meu médico e pegar a guia pedindo autorização da Unimed… E agora dia 11/03 eu vou pra belhel ter a avaliação com o anestesista e provavelmente depois disso meu médico marque a data da cirurgia. Confesso que já tive muito medo do procedimento, do que poderia ocorrer, mas agora to muito confiante, tudo vai dar certo e com certeza muitos anos de vida saudável virão na minha vida… Lógico que eu pedi aquela consultinha básica para os guias através dos búzios e eles não mentem: vai dar tudo certo e eu ficarei muito bem! Amém!

Carnaval 2013

O carnaval chegou ao fim, mas tudo que ele me deu vai seguir comigo e a minha depressão pós viagem, sempre presente ao voltar pra casa, vai demorar um pouco pra passar. Quero contar cada detalhe de tudo, pois a viagem inteira foi feita de detalhes, afinal Ouro Preto foi o cenário pra ela.

Finalzinho de 2012 eu fiz uma lista de cidades que gostaria de visitar e Ouro Preto estava entre as primeiras da lista, então porque não ir pra um dos carnavais mais tradicionais do Brasil? Logo que decidi, falei com o David e perguntei se ele topava ir e ele como sempre disse SIM! Pronto, começava ali a nossa viagem pra Ouro Preto. Convidamos outras amigas e destas a Patty endossou e assim partimos os 3 pra OP. Não tive tempo pra planejar a viagem como sempre gosto de fazer, só vi mesmo a republica (sim, eu fiquei em uma republica de estudantes) e nada mais! A viagem já começou diferente de todas as outras.

Uma pausa pra falar da republica. Nunca fui da dinâmica de república, na hora só pensei na hospedagem barata+bebida liberada+abadas, depois que fui pesquisar sobre e perceber que eu estava f***** com tudo, pois em viagem eu gosto de conforto e não é por nada, mas depois de uma certa idade e amadurecimento profissional e pessoal, você já não tolera mais acampamentos, casas lotadas, quartos divididos e coisas do tipo, mas resolvi ir sem preconceito e aprender com aquilo, afinal eu nunca tinha ido a uma republica e viver isso poderia servir pra mais uma experiência de amadurecimento. Bom lógico que eu odiei a acomodação e é lógico que eu não faria isso outra vez comigo, mas coisas positivas aconteceram, conheci pessoas maravilhosas que talvez eu não conhecesse se estivesse hospedada em hotel. Então como eu pensei, a experiência foi positiva. Abaixo fotos do local.

100_2491

República Feminina Arroz com Feijão (república de apoio)

100_2369

Nosso Quarto 7 mulheres e muita bagunça (risos)

100_2370

Galera na frente da República Troia (República que estava promovendo o nosso carnaval)

Bom, como eu disse Ouro Preto era um sonho e eu queria ver a dinâmica da cidade, andar por ela e sentir todas as sensações que eu pudesse… Bom, só não sabia que a ladeiras eram tão íngremes hahah

100_2410

Notem o desnível da rua =/
100_2387
Cara de felicidade \o/

Acho que o que torna Ouro preto tão mágica é saber que ela conta a nossa história, olhando (e subindo) as ladeiras eu imaginei os escravos tendo que fazer trajetos tão sofridos, imaginei a dor deles, imaginei a dor das mulheres negras e de suas crianças tendo que servir aos mandos dos seus senhores. As ruas de Ouro preto contam a nossa história, é diferente de andar pela Serra Gaúcha, por exemplo, onde tudo lembra a Europa e você não vê a história do seu povo ali. Outra coisa encantadora de OP é a educação e calma de seus habitantes. GENTE, o que é a educação daquele povo! Nunca tinha visto isso, no sul eles são educados, mas você sente a soberba do povo, em ouro preto não, é uma educação sem querer ser… acho que deve ser assim pois isso faz parte do “charme do mineiro”… E olha Mineiro tem um charme mesmo! :D… Ouro preto é fofa, assim como as crianças (das fotos abaixo)… Ouro preto é velha com espírito de nova.

100_2391100_2425100_2493
 
 
Crianças

Vivendo um pouco e abrindo minha mente eu aprendi a não tentar definir nada, pois há coisas e pessoas que não tem definição, elas simplesmente existem então a frase “é carnaval” serve ou pra você colocar pra fora tudo que está reprimido ou pra você ser apenas o que você sempre é, sem definições, pois não há espaço pra isso. Eu sou o que sou e faço o que quero, mas faço porque quero fazer e não por qualquer motivo interno ou externo, me agonia essa cobrança social que existe em cima das pessoas. Tipo é carnaval, entregue-se…talvez você já seja entregue e não precise do carnaval… então o carnaval é apenas um momento pra viver e pra mim, um momento pra observar.

100_2406100_2419100_2495

Por fim teve as pessoas lindas que eu conheci, que me ensinaram e mostraram o quão lindos seres humanos podem ser, gente olhava nos olhos e sorria, gente que sorria com a alma! Teve teorias que só a bebida nos proporcionariam pensar, teve muita risada e muita…muita brincadeira, bem como deve ser mesmo. Eu me apaixonei não por uma, mas por 2, 3 pessoas. Carnaval deve representar a morte e ressurreição  lembrando as festas de Baco… morremos e nascemos no carnaval. Certamente hoje eu não sou a mesma de antes, minha mala voltou cheia e cheia de lembranças lindas de pessoas lindas que fizerem meu carnaval. Observei, bebi, me emocionei, realizei um pequeno sonho (e quem disse que sonhos tem que ser grandes?), me apaixonei, me conectei, morri e ressuscitei. Tenho certeza que vivi a essência do carnaval.

531726_10200502060735503_138340051_n

551503_616780958338715_899500220_n

100_2515

100_2382

Anos depois…

Todo mundo sabe que eu sou apaixonada por um cara que estudou mestrado comigo e que a historia não deu certo, por que ele simplesmente não gosta de mim. Bom e eu cansei dessa história!, cansei de encher o saco dos meus amigos falando dele, cansei de encher a minha mãe, pedindo pra que ela reze por nós (sim, eu cheguei no fundo do poço!), cansei de ficar esperando o dia que ele e eu iriamos viver o grande amor que (vamos frisar bem) eu (sozinha) sinto por ele…cansei…cansei… Na verdade eu cansei mesmo de mim pensando em tudo isso pra gente, pois é lógico que ele não vai me ligar, não vai mandar mensagem, não vai dizer que me ama, por simplesmente não amar, não querer. É difícil aceitar isso, mas eu já vinha durante meses trabalhando isso dentro de mim.Bom, e eis que chegou o dia 28/01/2013.

Na segunda feira eu acordei pensando nele (fundo do poço é pouco pra mim, eu já estava cavando mais) e mandei uma. Bom, eu mandei essa mensagem pra ele responder e eu ter a certeza que eu já tinha, mas ele conseguiu ser pior, ele não respondeu (ok, eu desci mais que o fundo do poço), na verdade ele nunca respondeu nada, ele nunca olhou nos meus olhos, ele nunca foi o homem que eu sempre procurei -então porque caralhas eu apaixonei? – Logico que eu passei o dia chateada, ensaiando mil telefonemas pra ele, mas ao fim eu largava o telefone e desistia. Fui dormir e antes de dormir eu pedi pra Deus tirar esse “amor” de dentro de mim, pedi uma luz, uma direção, pois eu já estava cansada desse sofrimento, dessa distancia, desse amor unilateral, desses pensamentos que enchiam a minha mente e assim eu dormi.E então veio o dia 29/01/2013.

Na terça-feira tudo transcorreu como tinha que ser, teve até uma coisa muito boa relacionada a cirurgia que vou fazer (história para o próximo post)…bom, e a noite chegou e com ela o telefonema mais inesperado da minha vida, 06x xxxx-xxxx “Alo, Natasha?, é o fulano, lembra? (e minha mente processando aquela informação) Oi, lembro sim… e dai se desenvolveu um papo de quase 1h…

Só pra situar tudo:

Este blog é de muito tempo depois destemoço do telefonema, então não deve ter nada escrito aqui sobre ele, mas ele foi um homem que apareceu na minha vida em 2004 e saiu dela em 2005/2006, lógico que ele foi um grande amor, mas um amor muuuuito grande mesmo (hehehe parece que eu me apaixono por todos, mas nem é assim, ok?), mas como nada dá certo na minha vida (nessas coisas de amor), com ele não seria diferente. A história é longa e envolve muita coisa/gente, portanto não vou contar, mas posso dizer que ele mudou meu jeito e meus sonhos, ele me deu muita coisa boa e muita coisa ruim, também. Por ele chorei bem menos do que chorei pelo Agle, mas cada choro tinha uma história, tinha um porque…acho que ele gostou de mim, e por isso rolou o que rolou, infelizmente não estávamos no mesmo tempo e ele se foi…

E eu só ligo isso ao meu pedido a Deus, eu queria uma direção, queria uma reposta e ele me deu um telefonema, de um dos homens que eu admirei muito, de uma pessoa que desde então mora longe de mim e que pra ter me ligado primeiro teve que passar pelo interrogatório da minha mãe, pra depois conseguir o numero do meu celular e então ligar. Ligar sem pretensão nenhuma, sem medo de incomodar, sem medo de dizer um “Oi”. Depois de tanto tempo ele ainda lembra de mim, ainda me tratou com o mesmo carinho e me chamou de meu anjo com a mesma voz de 2004… E em contra partida o que eu ganho do “outro”? nada! Pois eu fico esperando pelos telefonemas que nunca não feitos, eu que fico esperando pelas respostas das mensagens que eu mando, respostas essas que não são certas de chegar, enfim…. tudo parte de mim, porque sou eu que quero…

O telefonema me mostrou o quanto eu fui e devo ser querida e é querida que eu quero ser de agora em diante. Chega de ficar me humilhando disfarçando com o discurso de que eu quero manter nossa amizade. Pois eu não quero manter amizade nenhuma, já fomos amigos, hoje eu só sei cobrar coisas que não tenho direito! E eu sei que a culpa é minha, ninguém é obrigado nessa vida, ele (você) muito menos… Só não entendo porque aparecer na minha frente no dia do Natal, como se eu fosse a pessoa mais especial do mundo e que merecia aquela visita (essas coisas não dá pra engolir) (mas talvez eu seja especial mesmo, talvez a amizade nos deixe isso)(mas não sei se quero só isso).

Tem muita coisa que eu ainda não sei, mas a única coisa que sei é que em algum lugar alguém ainda gosta ou vai gostar muito de mim. :)

2012

Não sei se está tarde pra fazer um post retrospectiva, mas eu necessito disso. Então, senta que lá vem mimimi…

O ano passado com certeza foi um dos melhores anos da minha vida! (foi?) SIM! Foi o ano que eu me defini! E como todo processo de mudança, de aceitação, de descoberta é um processo doloroso, e o ano de 2012 doeu muito!!! Doeu sair da inercia, doeu deixar hábitos, doeu saber que eu tinha muito excessos e que os mesmos precisavam ser cortados, doeu aparar as arrestar. Mas passou e com ele passou toda a angustia.

Ano passado eu sai comigo mesma, eu parei de mentir pra mim, parei de tentar ser a pessoa legal que todos gostam, eu descobri que não quero ser legal, nem quero ser antipática, eu só quero ser eu. Parei de ser a que sempre tinha algo pra falar e a que sempre queria falar algo para as pessoas. Passei a olhar, viver e deixar viverem, e isso foi muito complicado, pois é difícil aceitar que alguém mudou, parece que você passa a abandonar as pessoas, mas eu resolvi apenas ser eu, resolvi ser egoísta,  resolvi querer em troca. Se eu te dou amor, eu quero amor na mesma proporção, se você não me der, ok, mas Tchau!

A coisa mais importante de tudo isso foi que eu aprendi a conviver comigo mesma, pois acho que eu tinha medo de saber como realmente sou, eu sempre fui muito rodeada de amigos (apesar de achar que não era) e eu fazia de tudo pra manter essas pessoas do meu lado, eu as bajulava, e as buscava, eu as agradava e tudo isso por medo de ficar sozinha comigo mesma, medo de saber quem eu realmente era, medo de ficar sozinha no domingo a tarde. Mas Fui lá e me enfrentei, e pra minha surpresa, eu sou uma ótima companhia, eu sei escolher bons vinhos, eu sei cozinhar, eu sei ouvir música e olha que maravilhoso, eu não precisava bajular ninguém pra estar ao meu lado, e foi ai que me desprendi de tudo! Passei a observar quem estava comigo porque realmente queria, e essas eu segui amando. E não fiquei preocupada com o que iam achar ou não de mim, eu estava feliz demais se me amassem, continuariam do meu lado me amando, se não eu os perderia, mas perderia de boa e nem sei se isso é perder mesmo.

Descobri como é o depois do “The End”, e me desculpe se eu vou magoa-los, mas depois do TheEnd nada de extraordinário acontece, você continua trabalhando  continua se desencontrado no amor, continua enfrentando desafios, continua tentando manter relações com as pessoas e o mundo continua sendo o mundo lotado de gente diferente e igual, feliz e triste, bonita e feia (dependendo do ponto de vista) e você é só mais um no meio disso tudo. Seus problemas e suas alegrias não são maiores e nem menores que os problemas e alegrias de ninguém e só uma coisa faz o “The End” ser especial: a sua capacidade de mudar as suas próprias expectativas.

Você espera algo de você mesmo, e muitas vezes nem as nossas próprias expectativas são boas. Mas temos medo de descobrir isso. Então transformar todas essas projeções em algo bom pra nós mesmos é o que nos torna especiais, é o que faz com que as pessoas olhem e queiram ser um pouquinho da gente, é o que faz com que a gente brigue com alguém, mesmo sabendo que queríamos ser um pouquinho daquela outra pessoa.

E mudar as expectativas é algo que eu faço muito bem desde que nasci, e muito mais ainda vem ai pela frente, pois eu não paro, eu não gosto de parar eu quero mais e talvez o meu pecado seja querer muito.

Espero que 2013 seja mais suave, mas se ele não for eu quero mais que ele venha com força, to aqui só esperando por ele. Feliz 2013 de tudo que vocês desejam, tudo que já ficou pra trás na minha vida me fez ser o que eu sou, o que eu penso e o que eu quero, portanto eu agradeço por ter tido tudo, mas as coisas são como um amigo bem escreveu em seu blog: “Tudo neste mundo tem uma data de validade. Contas, trabalhos, amizades, amores…”

Sei

Durante toda a minha vida esperei pela história que aconteceria depois do “The End” Achava que essa história seria linda, sem problemas ou complicações, mas pra isso eu precisaria de um “príncipe encantado” então passei a maior parte (adulta) destes meus 27 anos esperando pelo príncipe encantado. No meio do caminho, seguindo o curso normal da vida de qualquer mulher, eu fui conhecendo homens, que na minha visão não eram perfeitos pra assumir o posto de “príncipes encantados”. Sinto que deixei de viver um monte de coisas com homens legais por esperar um homem que ainda estava por vir (quando na verdade nem sei se ele existe).

Talvez tenha me enganado com algumas histórias, talvez tenha perdido tempo, mas uma eu vivi. Não eramos nada e nem queríamos ser, eramos amigos que transavam e isso bastava e já era bastante, eramos encontros depois do expediente, eramos telefonemas do tipo: oi, bora sair? passo as 20h pra te buscar e fim do telefonema, dentro do carro não precisava conversar, nem precisávamos jantar antes, a gente já sabia onde aquilo iria terminar e o incrível é que eu (a SRa romantica) mesma não queria as saídas ou jantares ~antes~, pq bastava (a gente sabe o que). Entre a gente não tinha “frescuras” não tinha juras de amor, não tinha promessa de telefonema no dia seguinte, alias nem tinha dia seguinte. E assim o tempo foi passando e passando,então ele começou a namorar e com isso nos afastamos, então ele noivou e eu confesso que fiquei com aquela tristez(inha) lá no fundo, mas então… o noivado terminou . Lembro quando ele me contou: terminei meu noivado e eu respondi: que bom!! rs que bom porque poderíamos voltar a ter o que tínhamos: nada!

Dos caras que conheci eu acho amei  2 e fui pra cama com 1, confesso que a transa não foi legal…tudo bem!, ele não sabe que eu o amei, logo não dá pra saber quem é e eu continuo mantendo a ética! rs Os outros foram bons, mas nada significante, mas com este cara, não, com ele foi maravilhoso! Talvez isso fizesse com que continuássemos saindo. E eu to confessando isso aqui, pois hoje escutei a música “sei” do Nando Reis e em um trecho ele canta:

“Abre o corpo, sopro do ar que traz essa pessoa
Quando quer ali deitar, se alimentar
E entregar seu corpo pra pessoa
Quando pensa porque não disse a verdade”

E eu lembrei tanto dele, dos nossos dias de nada, dos dias que passávamos o final da noite juntos, quando a gente descansava e se alimentava um do outro, quando a gente se entregava ali à aquele momento e fazíamos isso juntos. O nosso nada criou uma intimidade tão boa entre a gente que não tínhamos nenhuma reserva um com o outro. Hoje senti saudades disso, e é engraçado, pois senti saudade de uma história nada romântica,  que com certeza não se desenvolveria depois do The end, porque definitivamente ele não é um príncipe encantado! Ele era apenas um homem normal, que discordava de mim, que me chamava de menina, mas que sentia bem saindo comigo. E como disse Nando Reis: Quando pensa porque não disse a verdade…eu nunca disse essas verdades pra ele (e nem vou dizer, mas como publiquei aqui, acho q está dito rs), porque não cabia falar nada disso, não cabia falar que eu adorava estar com ele, que ele foi o meu melhor (e olha que eu nunca sai com caras novinhos) e que toda mulher merece sair com ele, e que hoje eu queria estar em bel e fazer o tradicional telefonema ao sair de casa: desce, que eu to saindo de casa.

Definitivamente o ano de 2012 foi necessário na minha vida, e que 2013 tenha uma historinha dessas pra valer um post do meu blog… e sinceramente, pra um blog que se propõe a falar de amor, acho que enfim eu falei de amor por aqui. Porque ultimamente tenho percebido que são essas histórias que enchem a sua vida, são histórias como essa que eu tive com esse amigo :) que fazem você acreditar em algo, e não essas historinhas bobas de amores que nunca acontecem, ou de amores de não dão certo. Cansada desses amores, amor mesmo é o que te faz Gozar… Sim eu preciso de outro blog hehehe ou repaginar este.

O primeiro a gente nunca esquece…

Sabe quando você nasce pra uma coisa, e por mais que pense que quer outra coisa, sua vida mostra à que vieste? Pois é, é exatamente assim que ando me sentindo. Fico lembrando dos dias que chorei e dos dias que achei que não conseguiria. Este momento é aquele momento que sabemos que vai chegar, porem não sabemos a hora. Eu acho que o meu chegou. Este momento ao qual me refiro é aquele quando temos um problema e achamos que um dia tudo aquilo vai acabar, porém não sabemos nem quando, nem como, e continuamos vivendo como dá, com a certeza de que …um dia…tudo estará resolvido.

Enfim consegui entender o que me deixa feliz, eu fico feliz trabalhando, só que apenas agora me dei conta. Estes dias, alias nestes 2 últimos meses eu tenho enchido a minha mente de projetos e coisas que quero fazer, andei planejando, fazendo contatos e tentando viabilizar meus projetos de pesquisa. Hoje enfim, nascei meu primeiro projeto para o CNPQ pedindo auxilio para promoção de evento e concessão de bolsa PIBIC. Depois de enviar o projeto me senti realizada, fiquei feliz e me senti feliz por nada. Pois escrever faz parte da minha vida, seja escrever um projeto ou escrever um post, é pra isso que eu vim e finalmente eu estou conseguindo fazer o que vim fazer. Não seu se vou conseguir as outras coisas que tanto (achei) que queria, mas eu estou fazendo o que gosto e quero fazer: escrever, projetar, planejar, pensar, executar! E tenho um emprego que me permite fazer isso. Tenho um emprego que me paga pra isso *-*.

E ultimamente tenho pensado em uma das frases que escutei: life is good… e como ela é mesmo! Eu me sinto livre, me sinto plena, me sinto feliz. Talvez se eu tivesse coisas que achei que queria, não poderia estar fazendo isso que tanto amo, não poderia estar planejando passar o reveillon no chile, ou o carnaval em minas. Estou planejando a minha viagem sozinha, a viagem que a muito tempo quero fazer, porém preciso amadurecer mais a idéia. E preciso amadurecer mais ainda a idéia de que sou sozinha, mas não quero e nem devo pensar em um “sozinha” no sentido pejorativo e feio. Quero pensar em sozinha no sentido de liberdade. Certa vez eu li que “liberdade é ter alguém pra se prender” e hoje eu me permito corrigir esta frase pra “Liberdade é também ter alguém pra se prender” porque eu, sinceramente, me sinto livre e totalmente presa em quem eu sou, e me sinto mais livre que nunca.

Percebi que impus um ritmo de vida pra mim, e meu ritmo é não ter ritmo, eu posso dormir até meio dia, assim como posso acordar cedo e planejar meu dia. Eu posso escrever até de madrugada e sair pra trabalhar cedo. Eu não tenho que fazer nada que não esteja na minha rotina. Minha mãe veio aqui pra casa, depois deste meu 1 ano morando sozinha, ela enfim veio aqui conhecer, e eu percebi que já não consigo mais conviver com ela. É obvio que a amo, que a quero muito bem, mas eu preciso seguir esta minha vida que …PUTZ ME FAZ QUERER GRITAR DE TÃO INTENSA E CALMA QUE ELA ESTA! A cada dia me descubro, e a cada dia gosto mais ainda do que me tornei. Não me importo mais com os outros, mas não que os outro tenham perdido a sua importância  eu apenas não quero mais me consumir. Amo meus amigos e familiares do mesmo jeito, quero eles por perto do mesmo jeito, apenas não permito mais interferências e dessa forma eu não interfiro mais na vida de ninguém. Todos temos nossas descobertas pra fazer e eu desejo que todos se descubram da mesma forma como eu estou me descobrindo.

Experimente a cada dia uma nova coisa, tome aquele vinho que em um primeiro contato lhe pareceu ruim, experimente aquela comida de nome estranho pra ver que sabor tem, siga uma nova rota pra ver o que há de novo, volte naquela cidade que você foi e achou linda e veja que novas sensações irá descobrir, compre uma agenda e planeje viagens que você deseja fazer, escute um cd de uma banda que você nunca ouviu falar… Faça como eu se planeje e descubra o quão legal você pode ser!

E chore se tiver que chorar e sorria se tiver que sorrir, mas continue…

life is good…

Pra sonhar

Das primeiras imagens que tenho de mim, lembro que me debruçava sobre a janela da casa do vovô e ficava olhando o formato das nuvens, ficava imaginando as coisas mais mirabolantes possíveis e pensava: será que mais alguma criança também fica vendo o que eu vejo? Ficava preocupada de ser a única a ficar pensando coisas que talvez ninguém mais pensasse (imaginava se aquilo era normal) ~Era tão pequena, mas já tão preocupada em parecer normal… E assim passava a tarde inteira, até que alguém me chamasse pra cumprir a rotina que uma criança deve cumprir: banho, lanche, dever, brincar e dormir…mas as nuvens…ahh elas não saiam do meu pensamento. Eu queria toca-las, senti-las, ficava pensando se dava pra comer, pois elas eram tão parecidas com algodão doce e ficavam no céu se movendo tão lindamente que só poderiam ser doces. Ao viajar pela primeira vez de avião fiquei super decepcionada em saber que não poderia pegar nas nuvens, mas ainda assim o avião era especial, mas ele me deixava mais perto das nuvens e eu pude então ver como era por dentro delas e depois pude ver que o avião poderia até voar mais alto que as nuvens. Enfim eu estava no alto com as nuvens… Estas nuvens me ensinaram o que era sonho, o avião me mostrou o que era ficar mais perto deste sonho, porém com restrições, pois eu não poderia pegar um pouco de nuvem pra mim…

Ao crescer e estudar os fenômenos físicos e químicos o mistério da formação das nuvens acabou, agora eu entendia perfeitamente o que elas significavam e o que representavam, a janela na casa da minha avô ainda existe, porém uma enorme cobertura com telhas colonial cobre aquela imagem que eu tinha do céu, também já não tenho mais tempo de ficar admirando as nuvens e quando viajo de avião, só penso em dormir pra aproveitar ao máximo meu tempo, pois ao desembarcar a vida me chama… Logo, os ensinamentos da vida acabaram por destruir o sonho das nuvens. Mas nessa histórias toda, as nuvens tiveram um papel fundamental, me deram, ainda menina, o conceito de sonho e de que nenhum sonho é inalcançável.

Na adolescência, passei a ter outro sonho que os ensinamentos da vida aos poucos vão tirando de mim, mas as lágrimas me mostram que ele ainda vive, hoje as lágrimas são como essas lembranças que mantenho vivas dentro de mim sobre o sonho de estar entre as nuvens, de poder pega-las de ficar olhando tudo que elas tinham pra dizer, porém sou consciente de que não dá pra “pegar” no sonho…são apenas sonhos…vida é outra coisa!

Novas tatuagens

No outro dia após ter feito a primeira tatuagem eu já queria mais :D Definitivamente Tatuar é um vício. Decidi fazer esta (abaixo) em homenagem a minha família, representando eu, meu pai e minha mãe. Só ainda não decidi se atrás ou na frente do ombro, tal como coloquei meu coração. Fechando o ciclo do amor nos ombros, em um o coração que começa na cor vermelha e termina com uma cor mais escura, tendo toda uma simbologia pra mim, e no outro ombro uma imagem representando a minha família e de onde eu vim.

Decidi também fazer o simbolo do meu signo na nuca, só ainda não defini o traçado da tatoo, pois sou do signo de touro e os traços que encontrei não me agradaram muito. E se for seguir a regra do coração, onde procurei muito e acabei imitando uma que vi, ainda vou demorar muito pra encontrar o traçado deste do signo.

É da família que você veio.

Hoje fui tomar café da manhã e lembrei do café da manhã que meu pai preparava todos os dias as 6h da manhã. Isso me fez lembrar de família, tradição e ensinamentos, me fez ver o quanto que estas coisas são importantes na vida de uma pessoa.

É importante criar os filhos sob estas rotinas simples como tomar café junto, almoçar todos juntos e à mesa, criar um evento onde a família participe junta, pode ser um jogo, uma conversa, um passeio e que isso vá sendo ensinado de pai para filho, no final a sua família construiu uma tradição e os filhos vão ter sempre do que lembrar e o que ensinar. Até hoje lembro dos domingos que saiamos juntos para passear no bosque ou no museu, aquilo era o máximo pra mim. Na Páscoa o meu ovo era sempre escondido e eu tinha que encontrar, nas festas de são João papai comprava fogos de artifício e sempre tinha festa, era tradição na casa da família Costa. No natal eu sempre montava a arvore de Natal com a minha mãe e é incrível como eu trago estas coisas comigo e como elas me definem como pessoa. É tão tradição que este ano eu fui pra casa pra festa de são João, pois eu não poderia estar longe em uma data tão marcante/marcada pra nossa família. Montar a arvore de natal com mamãe é isso é tão tradição que este ano ela vem pra minha casa e é quando irei montar a minha.

Estes atos me lembram de onde vim, são as tradições da minha família e isso à diferencia de todas as outras. Acho que fui muito bem criada, levei comigo todos os ensinamentos da minha mãe e jamais a desonrei, fiz tudo que tinha que fazer e hoje me acho uma cópia dela, não me sinto presa a estas raízes porque eu gosto muito delas, gosto de saber de onde vim e que eu tenho muito a ensinar a um filho se algum da eu o tiver.

São as tradições que mostram de que família você veio, no final você não vai lembrar das brigas, ou de coisas ruins da sua família, você só vai conseguir lembrar do que eles lhe ensinaram e isso irá definir você como pessoa. Sou feliz por ter vindo de onde vim, e mais feliz por saber de que família eu vim.

Amor Lambido

Vai fazer 2 semanas que comprei uma cadelinha e a nossa relação é amor e ódio. Tem horas que pego ela e aperto, aperto, aperto (bem ao estilo felícia)  jogo pra cima, chamo de minha ursinha e cubro de carinho. Mas tem horas que penso em dar ela e não olhar nunca mais pro foucinho dela.

Mas parando pra refletir, desde que ela chegou eu tenho aprendido a ser paciente, cada vez que ela chora, que ela fica no meu pé, que ela depende de mim é um exercício de paciência. Ela faz uma das coisas que eu mais detesto que façam: Bagunça a minha casa. Odeio bagunça, odeio barulho e ela faz tudo isso. Talvez eu também não goste muito desse clima de alegria que ela traz, gosto do meu clima e não posso dizer que ele é alegre em 100% das vezes.

Criar um cachorro me faz pensar no ato de ser mãe, pois a menos que o laço feto-mãe, mude algo dentro da mãe eu sinceramente começo a repensar essa vontade de ter um filho. Um ser que dependeria de mim em tempo integral, um ser complexo que viria ao mundo zerado e eu seria a responsável por alimentar parte do seu conhecimento, dos seus sentimentos e por fim da sua educação. Talvez essa reflexão toda se deva ao fato de que eu me consumo demais com uma coisa, pois não sei fazer pela metade, se é pra criar um cachorro que ele seja criado da melhor forma possível, tendo todos os recursos necessários para que cresça um cachorro saudável e com pelo bonito, se for uma criança que ela cresça de forma saudável, feliz, bem cuidada e possua todos os recursos pra ser um ser humano integro. Não entendo pessoas que fazem estas coisas de forma diferente, alias eu queria ser uma dessas pessoas.

Aparentemente é fácil criar um cachorro, mas eu não acho que seja. Carmen (minha cadela) tem 2 meses e ainda gosta de leite, logo pela manhã eu tenho que levantar e fazer o leite dela, misturar com a ração para raças pequenas (ela é uma poodle n°1) e colocar no seu recipiente, enquanto isso arrumo a bagunça que ela fez, depois disso eu tenho q limpar a caca que ela faz algum tempo depois de comer, abri a porta pra ela correr no corredor enquanto me arrumo, após me arrumar prendo ela e saio pra trabalhar. Na volta pra casa deixo ela solta e ela não sai do meu pé. Nesse meio tempo tem o xixi que ela faz e eu fico limpando, posi pra mim é o fim casa fedorenta de cachorro. O banho é outro episódio, me informaram que ela deveria tomar banho 1 vez por semana, mas eu não aguento o cheiro dela e acabo dando 3 banhos por semana, pois cachorro tem um cheirinho fedorento, viu!! E entre dar banho, secar e escovar o pêlo (pra não embolar e ficar feio) eu perco 1h. E se com essas atividades eu já acho que não aguento, imagina com uma criança…

Sinceramente eu não sei se ficarei com Carmen por muito tempo, estou 50% convencida a dar ela, dar pra alguém que tenha tempo de cuidar ou que pelo menos tenha uma secretária pra limpar as cacas que ela faz. Um amigo bem que me avisou que eu não tinha perfil pra criar cachorro, mas eu gosto de experimentar a sensação pra descobrir a verdade. E descobri que eu não fui feita pra criar animal. Pensarei bastante no ato de ter um filho, pois depois que nascer não terei essa opção de dar.

18000 acessos

Nunca tive o costume de monitorar os acessos do blog, porque não é este o objetivo disso aqui. Quando comecei a escrever em 2008, achava que ninguém se daria ao trabalho de ler o que eu teria a escrever, até porque eu sei que o blog tem um único tema que pode vir enjoar quem se propor a passar sempre por aqui pra ler algo. Pois o blog foi criado pra falar de amor, pra falar de sofrimento, da minha transformação e da minha pouca experiência de vida…enfim o blog inteiro é pra falar de mim. Ele Surgiu pela necessidade que eu tinha de conversar com alguém, mas por ser um pouco fechada pra conversar sobre mim, o blog caiu como uma luva. Quem lê desde o primeiro post vai acompanhar cada passo da minha vida, os amores da época, as dúvidas, os desencontros, minhas formaturas, meus artigos científicos  o episódio da saída e retorno para casa, minha mudança de cidade, a história do grande amor da minha vida, que apesar de grande não foi vivido, …enfim, o blog fala da saudade que eu sinto de tudo e de todos e dos meus sonhos como menina, mulher, engenheira, filha e amiga!

Como todo blogueiro já enjoei do blog e o fechei-o, meses depois voltei e reabri a seção de postagens :) o tempo longe do blog me fez ver o quanto ele era importante na minha vida, então aconteça o que acontecer o blog está aqui. Bom e hj resolvi olhar quantos acessos ele teve ao longo destes 4 anos e fiquei surpresa em ver que foram 18000 acessos. Pra 4 anos isso é pouco, comparado a outros blogs por ai, mas visto que é um blog escrito por uma desconhecida com meia dúzia de amigos, acho que é uma marca pra me arrancar um sorrisinho de satisfação :) Uma média de 12 acessos diários… ahhh fala sério \o/ é muito satisfatório saber que eu me faço ser lida. Então né…obrigada :D

A ditadura da felicidade

De todas as ditaduras impostas pela sociedade a que mais mexe comigo é a ditadura da felicidade ou ditadura do sorriso. É incrível,  se você não distribui sorrisos ao longo do dia é logo taxado de um monte de apelidos, sem contar que as pessoas automaticamente se afastam de você, pois ninguém quer descobrir quem você é, ninguém pensa que você é apensas sério, mas que por trás tem alguém sensível e divertido, que sorri sim! apenas não sorri pra qualquer um.

Acho que na verdade o que as pessoas querem são sorrisos, seja eles quais forem, sorrisos falsos, sorrisos vazios, sorrisos sarcásticos, mas eu não! Eu quero sorrisos sinceros, quase como os sorrisos de amor. Aquele sorriso que você sabe que só vai se abrir pra você. Não somos obrigados a gostar de todos, temos apenas que aturar a todos e aqueles que são meramente aturados nunca terão meus sorrisos, pois eles são valiosos demais pra se abrir pra qualquer um. Tão bom descobrir isso e poder viver sem se preocupar com o que vão pensar, tão bom ter ao seu lado pessoas que passaram por cima de todos os (pre)conceitos e foram atrás dos sorrisos que elas merecem ter. Tão bom ser adulto e maduro o suficiente pra entender esta ditadura que existe e que é muito forte, sendo até capaz de ditar toda sua forma de agir, ser e pensar.

Para aqueles que tem meu sorriso deixo ele aqui pra vocês (com direito a covinha na bochecha :* prfv muito fofa!! risos)

Eu não sou obrigada!

 Sábado mudei mais uma vez de casa e acho que agora é pra ficar por um bom tempo. Estou em uma casa bem melhor do que imaginei que poderia arrumar, construção novinha, cheirando a tinta fresca, bem perto da orla e de tudo que eu gosto de fazer, e mais perto de pessoas que em tão pouco tempo se tornaram bastante amadas por mim. Não chamo isso de condomínio, pois ele não foi feito pra ter essa cara, quem passa pela frente acha que é uma única casa, mas na verdade são 4, achei muito bem projetada e pensada. Vivemos um uma mini comunidade (risos) com 4 casinhas onde moram pessoas divertidíssimas  Sempre ao entrar escuto música ou risos e não é qualquer uma música, hoje era um jazz bastante bonito, assim como eu também coloco minha música e certamente quem entra também deve gostar do som de ultimamente ~Lana Del Rey~

Costumo dizer que moro junto separado, pois estou sempre com o vizinho do andar de cima, ele tem sido uma pessoa de grandíssima cia pra mim, hoje ao entrar ele ouviu o barulhinho do alarme do meu carro foi pra varanda e falou: Eu não sou obrigado a ficar sozinho, se referindo ao fato de que hoje eu trabalho o dia inteiro e ele tem folga. Ontem mandou sms com a frase: saudade! rss eu ri e respondi: mas tu me viu pela manhã e a resposta foi: mas eu já me acostumei contigo! :). A gente vai pra casa e faz comidinha e conversa sobre o dia de trabalho, trocamos dicas e experiências. Acho que era isso que eu queria e precisava: alguém que me escutasse…e eu encontrei. Lendo isso parece que somos um casal, mas não somos!! nem vamos ser (muitos risos) acho que esta relação está mais pra cão e gato, mas é super divertida! Percebi a muito tempo que sou uma jovem velha, gosto de pessoas prontas pra vida e não dá mais pra ser diferente, encontrei isso agora.

Estou mais acostumada com macapá, tanto que não comprei passagens para os próximos feriados e nas festas de fim de ano estou pensando em ficar por aqui e estudar para meu concurso, quero economizar, tenho muitos planos para o ano que vem e pretendo viajar bem mais. Então não vai dar pra ficar indo e vindo a belém, obviamente que minha mãe tem passagens compradas pra vir me ver e isso me deixa por satisfeita, só fico aqui traçando planos pra ver os amigos queridos que ainda estão bel, mas isso a gente resolve.

Sinceramente, por hora eu estou bem feliz, as coisas estão caminhando tanto no trabalho quanto na vida, eu estou conseguindo me organizar porque não sou obrigada a viver como estava vivendo…naquele eterno não estou lá e também não quero estar aqui.

Real Life

Adoro a dinâmica da vida real, porque -obviamente- existe a dinâmica da vida que sonhamos e ficamos imaginando existir. Vida imaginária é aquele momento em que você cria pessoas imaginárias e vive feliz pra sempre entre um sinal fechado e outro, entre uma fila de espera e outra, entre um soninho e outro… Bom, mas quero falar da vida real, dessa que vivemos dia após dia.

Acabei de viver uma gestação, estou a 9 meses em Macapá. Aainda lembro da fase de descoberta que viria pra cá, quase como uma mulher que abre ansiosa o exame de gravidez, o meu aviso não escrito, foi um telefonema no dia 11.11.11 às 11h pra ser bem cabalístico e mistico (comigo não poderia ser de outra forma), e do dia do embarque definitivo já se foram 9 meses, tempo de uma gestação, e foi rápido, muito rápido. Ainda sinto saudades de Belém, principalmente da diversão, dos restaurantes, e de alguns amigos, porque tirando papai e mamãe são só essas coisas que restam de belém na minha memória.

Sinceramente eu to gostando de ter parido, me faz ser mais mulher. Passei o final de semana em belém e apesar de querer ficar lá eu também queria voltar, queria voltar pra minha vida, pro conforto da minha casinha, que está arrumada da forma como eu sempre quis, saudade de olhar pras minhas plantinhas que estão cheias de flores, saudade de andar no meu carrinho velho, mas que é meu e que eu paguei sozinha. Todas as coisas são minhas, eu construí, eu “pari”. Gosto de olhar elas e sentir orgulho de mim, amo sentir orgulho de mim, do que me tornei. Porque sinceramente, eu sou forte pra caramba, por vezes me desespero, sim, por vezes choro e acho que tudo vai dar errado, mas é quando eu me acalmo, ergo a cabeça e saio andando deixando quem tiver que deixar pra trás.adoro viajar pra belém, mas ultimamente tenho experimentado o prazer de voltar pra casa, e quando eu falo casa, me refiro ao que eu construí, pois a cidade onde tudo está é apenas um detalhe.

Estou feliz comigo, estou feliz por mim.

Fragmentos do tempo

Ontem foi dia dos pais e eu tive um dia muito tranquilo, fiquei perto de pessoas que me querem muito bem. E por volta das 20h eu voltei pra casa, entrei e me vi totalmente sozinha novamente. Bate um desespero ver que esta casa é só minha e que ninguém vai bater na porta pedindo pra entrar… Bom, eu precisava pensar em nada. Olhei em volta e vi uma bagunça de dois dias por ser arrumada, pratos sujos dentro da pia, roupa limpa esperando pra ser dobrada, chão por ser limpo e eu resolvi fazer isso antes que o dia terminasse. Umas das coisas legais em se morar só é fazer o que você quiser a hora que você quiser e poder andar nú pela casa, obviamente.

Ao terminar de arrumar tudo e instalar a organização da qual tanto me orgulho, novamente me vi sozinha e com aqueles pensamentos, então resolvi ligar a tv e assistir alguma coisa, mas nada me chamava atenção… neste momento percebi que era a minha mente pedindo que eu fosse fraca, pedindo que eu derramasse as lágrimas de quem não vai ter seu choro ouvido, resolvi comer bombom e me dar uma descarga de glicose, comi todos os bombons que eu tinha em casa, mas eu ainda estava com aquela sensação de que eu sabia exatamente o que tinha que fazer – Minha mente queria que eu ligasse pra ele, queria que eu procurasse o numero e ligasse, mas foi então que eu pensei que aquilo não era meu coração pedindo, era a minha mente querendo se fazer de fraca e me expor ao ridículo, pois eu não queria chorar, eu não queria conversar com ele e só de pensar em fazer tal ligação, na altura do nosso campeonato,me soou como algo tão fora de sentido que achei que se eu fizesse aquilo eu estaria sendo bem mais que fraca, ou ridícula, ou qualquer outra coisa, na verdade eu nem consegui encontrar uma palavra para o que eu seria se eu fizesse uma ligação.

Resolvi deitar e olhar pro teto, pensei em tudo que tinha que fazer durante a semana e em meia as tantas coisas que tenho que fazer acabei dormindo. E esta foi a primeira vez que eu me senti assim em relação a ele, foi a primeira vez que eu consegui separar o que a mente e o que o coração queriam (e eram coisas bem opostas), foi a primeira vez que fui forte e lutei contra mim mesma, foi o dia do meu Bom Combate!

“…a estrada onde estou só me leva a você e eu caio e levanto, eu sigo com os olhos ardendo!”

Para aquele que me ama de verdade…

Ao papy…

Quero começar falando das primeiras imagens e lembranças que tenho do meu pai: Ele chegando e eu correndo pelo corredor da casa que morávamos, super feliz, indo ao encontro dele, pois eu teria alguém pra contar o episódio do chaves que eu tinha assistido. Lembro que muitas vezes ele não fazia uma cara muito interessada, mas enquanto tirava seus  sapatos, mesmo super cansado de mais um dia de trabalho, ele fazia perguntas do tipo: mas e o que o chaves falou? E o que a Dona Florinda fez? E eu podia repetir as falas e fazer os trejeitos do chaves. Esperava o dia inteiro por isso!

Lembro também que ele foi a pessoa que me ensinou o sentido da palavra carinho, escutei essa palavra no desenho ursinhos carinhosos e ficava me perguntando o que era carinho? – eu no auge dos meus 4 ou 5 anos, já querendo entender o sentido da palavra – e um dia disse: pai, faz carinho em mim. E ele começou a passar a mão nas minhas costas e aquilo virou um hábito de sempre antes de dormir. Enfim tinha aprendido o que era carinho.

Papai também era meu cúmplice, mamãe trabalhava muito e fazia comida pra vender e eu sempre com o meu espirito gordinha, vez ou outra, queria passar o dedo pela calda de chocolate ou roubar um docinho, só um docinho…E papai sempre me pegava no flagra. Eu e ele sabíamos que se mamãe soubesse eu iria apanhar e iria apanhar mesmo! Então eu falava: não conta pra mamãe. E ele só falava: Hrumm!! Eu pensava que ele ia contar, mas a surra não chegava e eu sabia que tínhamos um segredo.

Papai sempre quis um filho homem, e não escondeu isso. Ele queria ensiná-lo a empinar pipa, a brincar de carrinho, queria ter um filho pra torcer pelo Remo junto dele, mas nasceu uma menina, “mole” que não sabia nem correr como ele mesmo falava :D Mas nasceu a filha que “fez mais do que eu, chegou muito mais longe do que eu” (palavras dele) então que bom que eu nasci.

Papai é um homem que quis ir longe, mas não conseguiu, porque pessoas são assim mesmo, por vezes tentam e não conseguem. Eu sei de todas os sonhos que meu pai quis realizar e fico feliz cada vez que conversamos e vejo nos olhos e palavras que ele se sente feliz pelo que me tornei, e isso que me dá forças pra continuar e não jogar tudo pro alto.

Meu pai e aquele homem tranquilo, que conquistou meu respeito, porque papai nunca precisou “me bater” pra que eu tivesse medo dele, e sabe qual o medo que ele me provoca?: é que um dia ele venha a se decepcionar com a filha que ele criou. É que um dia ele fique chateado com uma atitude minha. Porque eu o amo demais pra fazer ele ficar triste. Quero que papai tenha uma vida longa de felicidades, e que eu possa proporcionar estas felicidades pra ele, sejam materiais ou espirituais.

Um dia me disseram que os filhos imitam os pais e se isso é mesmo verdade, deve ser por isso que ainda não encontrei aquele “amor pra vida toda”, pois vai ser muito difícil de Encontrar um Sr. João por ai, pois João é paciência, é amor (da forma dele), e acima de tudo, João é integridade! E isso hoje em dia é um pouquinho difícil de encontrar e eu não irei abrir mão.

Ao meu pai que eu amo demais e amo mesmo…

Feliz dia dos pais :D

Hoje eu rezei

E hoje eu acordei, mas hoje foi um acordar diferente. Logo pela manhã bem cedinho (6h) recebi a mensagem de uma amiga, e logo ao acordar pensei nela também. Estávamos conectadas, pois ela rezava por mim, fiquei muito feliz com o ato, mas mais do que feliz fiquei agradecida por ela me lembrar de uma coisa: eu preciso rezar por mim. Faço tantas coisas por mim e esqueço do mais importante e simples que é rezar.

Ontem de noite eu entrei na sala do meu coordenador pra falar de trabalho e ao entrar a primeira coisa que vi foi uma bíblia que ele abriu e colocou sobre a mesa dele, e antes de ontem sonhei que voltava a basílica do Divino Pai Eterno em Trindade. Acredito muito nos sinais e acho que vivencio vários deles me cercando e querendo falar algo. E eu acho que é pra eu ter Fé. A fé que anda meio perdida dentro de mim, pois parei minhas novenas, parei os meus pedidos, por achar que não deveria mais pedir, mas quantas orações, quantos pedidos  a Deus temos que fazer até alcançar uma graça? Minha mania de ser imediatista acaba com os lindos pedidos que eu fazia a Deus, só eu e ele de noite no meu quarto.

Acredito muito em Deus, e acredito que ele me ama, coisa de pai e filha, sabe? Bem como é a minha relação com o meu pai. As vezes eu acho que Deus até fica com muita raiva de mim, mas me ama tanto que acaba concedendo as coisas mais lindas na minha vida. Porque olhando pra trás eu ganhei muitas coisas e pessoas e acredito que tudo isso me foi concedido por Deus.

E que Deus ilumine os caminhos desta amiga que acorda as 6h pra rezar por mim, não é todo amigo que faz isso e essa faz por amor, por se preocupar comigo, por achar que eu estou precisando, e ela sabe que estou :D Amiga, Deus nos separou, pois quando se separa coisas maravilhosas outras coisas maravilhosas vem pra somar mais ainda.

O sonho dela sendo realizado. Dela que todos os dias ora por mim. Mãe <3

Casa do Pai, como é chamada e como minha mãe adora chamar.

E de tudo não restou quase nada

E hoje eu lembrei que estou pensando menos em você. Pois só pelo fato de lembrar que não estou lembrando toda hora jé é uma vitória! Antes você enchia meus dias, mas hoje és apenas a lembrança de que eu tenho q lembrar. Sinto que estou caminhando para o desapego. Não sei se era isso que eu queria, pois sou daquelas que sempre espera pelo final feliz, mas eu sabia que esse não era um filme de final feliz, e afinal porque tudo tem que ter um final feliz?

Me fiz esta pergunta esta semana: Porque eu tenho que ser feliz, ter uma casa antes dos 30, casar, ter filhos? E não sei em que ponto eu passei a querer isso, eu nem sei se eu passei a querer isso porque de fato eu queria, ou se passei a querer porque todos ao meu redor diziam que eu deveria querer. É como emagrecer, eu não sei que quero me esforçar pra isso, mas todos, no fundo, me olham cobrando isso e vez ou outra quando podem, soltam: mas acho que você deveria emagrecer.

Mas um fato é o de que eu não estou bem, vai ver que é por isso que estou esquecendo de lembrar, tanta coisa na minha cabeça, um sensação de solidão, de desamparo tão grande que eu só quero ficar sozinha. É como se o mundo inteiro não me entendesse, é como se as ações das pessoas comigo não fosse suficientes. Sinto que me dou de corpo e alma e não recebo nada em troca! Nem sei mais se eu estou certa ou se eu estou errada. Mas como pensar diferente?, se as pessoas quando precisam de mim eu estou ali do lado delas e quando eu preciso ninguém nem bate na minha porta? Dizem que eu faço com que as pessoas se afastem de mim, não sei se isso procede, tem pessoas que não tem barreiras comigo e eu não tenho com elas. Eu só queria amor de verdade e sentir que cuidam de mim, assim como tantas vezes cuidei de muita gente. Mas a vida vai seguindo e cada um vai cuidando da sua, eu que não construí a tal família (que todos construiram) vou ficando aqui sozinha.

1º Tatoo

Hoje fez uma semana que fiz minha primeira tatuagem. Tatuar era um sonho desde a adolescência, sempre ficava encantada quando via alguém com uma, mas minha mãe não tinha este mesmo encantamento e falava que se eu tatuasse ela arrancaria meu couro. Bom…não que eu achasse mesmo que ela faria isso, mas enquanto “hospede” da casa dela eu respeitei sua opinião, mas sempre achei que quando saísse de casa faria a tatuagem. E assim se fez… sai de casa fazem quase 8 meses e sem motivos para adiar mais ainda a confecção da tatuagem eu resolvi fazer!

O desenho já estava mais que escolhido, bastava decidir em que formato. Desenhei um coração e como a Leila bem descreveu: “A nat não poderia fazer outra coisa, ela ama demais, precisa de mais de um coração” Que Lindo, né? Eu amo demais e por isso preciso fazer mais um coração. SUPER VERDADE!!! amo muito e amo mesmo!!! Bom o meu coração não é original, a Paola Gavazzi tem um igualzinho na mão dela, mas eu resolvi brincar com a cor, resolvi fazer um degrade do vermelho para o rosa, simbolizando a passagem da paixão para o amor <3. Mas como sou muito branquinha o rosa não ia ficar legal na minha pele, foi então que mudamos pra um roxinho e dai ficou mais legal ainda, pois ele ficou mais escuro que o vermelho, dando a ideia de que é o amor que prevalece, de que é o amor que é mais forte \o/ Pronto! Consegui o efeito perfeito pra minha tatoo.

Quando eu tiver um filho, vou tatuar um coração igualzinho só que menor bem ao lado deste que fiz 1º. E sim, eu quero fazer pelo menos mais 2 tatuagens. É muito verdade a história de que quando você tatua a 1º, quer fazer a 2º, a 3º… rss A 2ª vai ser o simbolo da Deusa, a 3º deve ser uma bruxa/fada (ainda decidindo) ahhh e ainda tem a estrelhinha no pulso :) (melhor parar! hehe)

Nem um pouco nervosa! Estava feliz, tinha aguardado anos e anos por este momento \o/ #1ºtatoo

Desenho passado pra pele. Só aguardando a preparação das agulhas.

Tá…dá uma dorzinha de leve. Mas nada que uma mulher não aguente (aguentamos dores piores, vai…hehehe)

Tatoo finalizada, curativo feito e sorriso no rosto <3

Beijo no Ombro…ops! beijo no coração <3

 

<3

 

O e-mail que mandei

Eu vou publicar este e-mail aqui, pois acho que ele foi a coisa mais sincera que eu já escrevi pra alguém. Eu de fato amei este homem, e hoje a única coisa que quero é esquecer, que um dia eu senti algo por ele. Mas coisas boas ficaram e eu peço pra que Deus retire essa raiva do meu coração.

“Como prometi, resolvi escrever o e-mail pra tentar te explicar o significado de algumas frases que tanto te causam curiosidade. E isso significa que eu consegui o que eu queria, visto que a maioria são escritas pra te causar curiosidade mesmo!, em sua maioria elas nem são destinadas a você, mas eu escrevo pois sei que vais ficar enjoando pra saber do que se trata, e eu não sei porque e em que isso é interessante, mas eu adoro fazer esse joguinho contigo.

 Das últimas frases as que foram escritas pensando em ti: 1-”O momento para perguntas passou”; 2-”Não pergunte aquilo que você tem medo de saber”; 3- “Enquanto houver um sonho e a vontade de se entregar a vida não acaba”; 4-”quando mentir for preciso espero falar a verdade”; 5 -”Resolvi falar só a verdade”; 6 -”É tão pouco”…

Acho que estas resumem bem tudo

 Começando pela nº6. Eu escrevi isso depois de um dia que eu estava muito triste e falei com você por cerca de 30mim e tudo mudou, incrível a tua capacidade de não falar nada de bom, mas ao mesmo tempo ser capaz de fazer o meu dia mudar, então eu escrevi isso “é tão pouco” no sentido de é tão pouco que eu preciso de ti, que nem sei pq te quero mais.

 A 4 e a 5 são bem parecidas e querem dizer quase a mesma coisa, na verdade elas não tem relação só contigo, é com muita coisa da minha vida e da forma que eu passei a enfrentar as minhas opiniões na frente das pessoas, visto que eu sempre fui muito preocupada com o que iam achar de mim. Elas querem dizer que eu não quero mais mentir sobre o que eu sinto, que eu não quero ter vergonha do que eu sinto e que eu quero assumir o que eu sinto, não me importando com o que vão achar ou deixar de achar sobre mim. E isso te inclui, pq se eu fosse escutar todas as vezes que falaram pra eu te esquecer…, não é por mal é pro meu bem e eu entendo o que querem dizer quando fala em “te esquecer” não é te esquecer é esquecer isso que eu acho que sinto, porque cada vez mais eu acho que nem sinto nada de verdade. Mas isso fica para as próximas frases…

 A frase 3 é a mais bonitinha de todas, fala sobre seguir em frente, fala sobre os meus sonhos, fala sobre o quanto que eu quero me encontrar e ser feliz. Depositei todas as minhas fichas em Macapá, achei que esqueceria todo o passado e seria feliz lá, mas não foi bem assim que as coisas saíram, isso me frustou um pouco, me deixou por vezes muito triste. Mas a verdade é que eu acho que quero ter o que eu sei que não dá mais pra ter. Lembra como era divertido o mestrado a convivência era tão legal, a gente chegava pela manhã, enrolava até a hora do almoço, conversávamos pra caramba vc me escutava :( as vezes eu acho que é disso que sinto falta, de ser escutada, e ai está a sua graça: vc apenas me escutava, jamais transmitia o teu pensamento, então eu nunca soube se você concordava ou discordava de mim, você apenas me escutava e eu sabia que vc estava ali. Engraçado esta relação, você gostar de estar perto de alguém que não te acrescenta nem te diminui. Vc era isso pra mim e dentre estes meus sonhos eu sonho em um dia te ter de volta, de poder conviver contigo novamente, além do convívio nos meus sonhos …Bom mas os meus sonhos não estão em questão hahaha

 A frase 2 “não pergunte aquilo que você tem medo de saber” tem a ver com o fato de você no fundo entender todas as minhas frases, pois eu sei que você as entende ou pelo menos pensa algo sobre elas, mas mesmo assim você tem a coragem de perguntar. Mesmo sabendo que não quer saber as respostas. Uma vez você falou que preferia não pensar em algumas coisas… Então… pra que querer entender as minhas frases? Se tu não quer e nem precisa saber do que elas se tratam?

Ultimamente eu tenho pensado sobre uma coisa, as pessoas que detém o amor de outra pessoa deveriam falar com todas as palavras: Olha, desculpa, mas eu realmente não vou ficar contigo, porque eu não gosto de ti! Porque pra quem gosta isso é uma sacudida, soa como:”te toca, acorda!!” pois a pessoa é afim da outra e a outra ao invés de cortar, fica tratando bem, atendendo as ligações, respondendo as mensagem e coisas do tipo, fazendo com que a outra pessoa que é afim pense: ahh ele me atende, ele se importa, então ele pode vir a um dia gostar de mim. Coisa que não é real.

Nessa história eu poderia tomar nós dois como exemplo, você não gosta de mim (sentido homem mulher) e isso é fato, mas na minha mente como vc me trata bem, parece gostar de mim (sentido amigo) eu fico achando que um dia você vai vir a gostar de mim (sentido homem mulher). Seria mais fácil se vc falasse com todas as palavras: Nat, eu nunca vou ficar contigo, segue teu caminho. Juro que isso seria quase como uma libertação. Faria eu parar de sonhar com um futuro que nunca vai vir. :(

 E chegando ao fim temos a frase “O momento para perguntas passou” pois eu tenho algumas perguntas pra fazer pra você, mas nunca fiz e no dia que postei essa frase eu pensei em perguntar, mas achei que era tarde demais pra fazer perguntas sobre frases suas, porque você pode até não postar as frases no msn, mas você bem que tem umas frases que nunca saíram da minha cabeça. Mas ainda não tenho certeza se quero perguntar, talvez eu não queira saber as respostas.

 (…)

 ps: Eu não estou em São Paulo, como eu disse que só ia falar a verdade, depois daquele dia que você disse que não estaria em São Paulo neste final de semana eu resolvi não ir mais, pois eu só ia pra te ver. Eu sei que disse que não ia pra te ver, mas eu estava mentindo!”

 

De sapatos…

E hoje eu cortei meu último vinculo com minha cidade natal. Resolvi me propor a fazer o que eu sai de casa pra fazer: Viver só e cuidar da minha vida!

Cansei de estar aqui e morar lá, até meus sapatos continuavam na casa de meus pais, então nesta minha última viagem para lá, resolvi vir embora de vez, trouxe o resto das minhas coisas que ainda estavam por lá e finalmente trouxe os meus sapatos. E que simbolo mais bonito são os sapatos – Pois são os sapatos que protegem o nosso caminhar, e com os pés protegidos podemos andar por todos os lugares. Devia ser por isso que ainda não tinha me mudado de vez, meus sapatos não estavam comigo :(, mas agora está tudo em seu lugar.

Não me sinto feliz, por vezes me sinto muito triste, mas a vontade de vencer tem sido mais forte! Quero ser feliz, não importa como nem onde. Quero ver o dia nascer e “morrer” e me sentir feliz por fazer parte de tudo. No momento só estou tentado me manter.

Outra vitória que obtive foi a de finalmente cancelar meu numero tim com DDD 91. Mas fiz isso porque queria desapegar, queria parar de telefonar e queria não ser encontrada! O novo telefone poucos terão e quanto a Ele, não quero que nunca saiba meu numero, sei que ele nunca iria me ligar, mas se um dia ligar quero que escute que o numero foi cancelado e quero que ele tenha a sensação de que não poderá me encontrar, ainda mais que dei block no msn e exclui. Cansei de querer algo que não me quer, isso já está indo contra a minha natureza e ir de contra a natureza sempre faz você acabar mal.

Pensando nisso tudo, hoje chorei. Um choro leve, um choro de apenas sentir as lagrimas caindo, um choro de mudanças. Não gosto de mudanças, alias nunca gostei, mas cada vez mais me acostumo com elas, e isso me causa o desapego. Quero me desapegar de tudo e de todos, quero me sentir livre, quero zerar meu coração e me sentir plena e feliz – Outra vez.

O momento para perguntas passou

E essa foi a frase do dia. E sendo a frase do dia, logo causou curiosidade. Mas me pergunto, porque tanta vontade de saber o que eu penso, porque essa necessidade de perguntar o que significam essas frases soltas que a uma primeira leitura, não fazem sentido algum?

A frase era essa: “O momento para perguntas passou” e eu escrevi essa frase para mim, pois tenho mil perguntas para fazer a ele, mas acho que já não dá mais tempo, nosso tempo já passou. A primeira das perguntas que na minha mente está sem resposta é: Porque na vesperas da nossa defesa, quando eu te fiz ficar preso na fila do Drive do Habibs e admiti isso você brincou dizendo que aquilo iria virar história pra contar para os teus filhos…”Na vespera da minha defesa, a mãe de vcs me fez ficar preso em uma fila pra comprar bib esfira” Tá, eu até aceito que isso pode ter sido uma brincadeira, mas é serio mesmo que homem brinca assim? Na hora eu não tive coragem de perguntar e hoje acho que o momento passou, e que você nem deve mais lembrar disso.

Outra pergunta ao qual eu acho que já não tem mais porque ser feita é: Porque você faz tudo que eu peço, sem retrucar e sem dizer que não concorda? Você simplesmente faz, como se me agradar fosse a coisa mais importante. Porque me obedecer e me respeitar? E nós dois sabemos que é assim, obviamente que não funciona pra tudo, mas para as coisas que satisfazem os meus caprichos, lá está você realizando. Porque sair depois da sua defesa, sem cumprimentar quase ninguém, dirigir mais de 20km e chegar na minha casa pra pegar uma cópia que eu e você sabíamos que naquele momento já não era mais tão importante, porque você ficou preocupado depois que brigamos na noite anterior e porque você disse que eu tinha que estragar “aquela” noite? Alias, porque você foi me buscar e quis passar aquelas horas ao meu lado?

Mais algumas perguntas: Porque vir se despedir de mim, porque continuar atendendo os meus telefonemas mesmo sabendo que eu quero te esquecer. Porque eu quero mesmo te esquecer.

Quero acordar e não lembrar mais que você existe, que você está ali para o momento que eu precisar. Quero esquecer a lembrança de você falando “ee nat” com uma entonação que só você faz, quero esquecer de quando eu apontava o dedo na sua cara e você o segurava e fazendo cara sério dizia: não aponta o dedo na minha cara e eu voltava a apontar e sorria, quero esquecer de quando eu chegava te mostrando alguma besteira e você prestava atenção como se presta atenção para uma grande explicação, quero esquecer de quando iamos embora juntos e falávamos do nosso futuro (eu o meu e você o seu, obviamente) quero esquecer de quando eu dirigia pra você e você ficava me criticando, quero esquecer de quando você me dava carona e eu ficava falando pra você ir mais devagar, quero esquecer de ficar te lembrando que você deve fazer a barba, quero esquecer de quando eu encarnava que você só usava bermuda que nem as crianças, quero esquecer daqueles sábados que você deixava tudo só pra me ensinar calculo, …

Quero parar de atrasar a minha vida e esperar você decidir a sua, pois no fundo é isso que estou fazendo, estou aqui esperando o dia que você resolva que pode ficar comigo e que eu sou a mulher certa pra você. Eu sei que esse dia não vai chegar e que eu estou atrasando a minha vida, pois você não gosta de mim. Mas é ai que vem todas as minhas memorias de você e elas me mostram que seriamos tão felizes juntos que eu não tenho outra alternativa a não ser ficar te esperando.

A verdade é que eu não quero nem tentar te esquecer, eu quero te esperar. Mas se não for pra esperar você poderia por favor falar que não está realmente interessado em mim, ou então apenas se afaste, suma, não me atenda, não me trate bem. Mês passado eu cheguei a conclusão de que não gostava de você, mas este pensamento foi derrubado por todo  meu ciume depois de um sonho de você com outra mulher. O que falta mesmo é ficarmos juntos, mas não sei como isso é possível.

A verdade é que eu não sei e nem quero te esquecer, mas preciso (a menos que você esteja realmente interessado, o que seria a situação ideal)

O jeito que você é

O jeito que você é que é o que eu gosto…

Estava trabalhando e a televisão estava ligada passando o programa “Louco por elas” e esse programa sempre me surpreende pelas frases que são ditas nele, poucos programas conseguem me fazer gostar deles pelos diálogos traçados, na verdade só lembro de dois que é este que citei e true Blood (seriado da HBO).

E no episódio de Elas por elas do dia 10.04 em um dos diálogos dos protagonistas a atriz fala: O jeito que você é que é o que eu gosto… e complementa com alguma coisa que indique que exatamente este jeito que ele é e ela gosta faz com que eles se afastem e não possam ficar juntos, achei isso de uma poesia tão grande, de uma beleza tão grande que me surpreendi de ver isso em um programa da TV aberta.

Às vezes é tão difícil perceber que amamos alguém, que amamos o jeito de alguém, mas que exatamente aquele jeito característico do amado, fará com que não dê certo. É tão frustrante saber que não dará certo, mas você insiste por achar que o amor fará tudo por você. O amor não faz tudo, o amor é só uma pequena parte do tudo, o nosso jeito é o que determinará e as vezes o seu jeito não se liga ao jeito do próximo amado.

É triste saber que o nosso jeito não combina e exatamente este jeito que eu gosto em você…

 

Qual o seu endereço?

“E pra qual endereço eu mandaria?”

E assim se iniciou a nossa última conversa. Confesso que pensei pra responder, pois me deu vontade de responder: “ pra minha casa”, mas no segundo seguinte pensei: que casa? Já não sou mais um endereço fixo, resido em um endereço, pois ao final do dia meu corpo precisa voltar pra algum lugar, mas minha mente nunca volta pra casa comigo, ela vai longe e sempre me leva a você (a você que me fez esta pergunta), pois só Deus sabe o quanto que eu gostaria de residir pertinho de você e só Deus sabe o quanto que eu não gostaria de escutar ( de você) esta pergunta, pois ela nos mostra que estamos mais distantes do que antes.

Já não sabes mais onde eu resido e precisas perguntar pra qual endereço mandar(seja lá o que for), quando no passado você sabia chegar até minha “casa” e não precisava perguntar a ninguém.

Lembra-se daquele dia em que você foi me buscar e chegou lá em 15’ e eu fiquei preocupada por você estar dirigindo rápido demais?…Rápido demais você chegava sempre que eu te chamava, rápido demais você vinha pra me ajudar, rápido demais meu amor aumentou por você. Aumentou tanto que até hoje não consigo esquecer, fico lembrando de cada detalhe, de cada sorriso. Naquela época eu tinha um endereço e sempre pra onde voltar, eu não precisava dizer onde eu estava, pois você sempre sabia, você sempre sabia de tudo e ai foi o seu mal, você sabia exatamente o que estava acontecendo e nada fez pra parar. Você me deixou gostar de você e hoje eu acho que a culpa é toda sua, pois você sabia e tinha o controle da situação. Eu tentei me enganar, tentei fingir que nada estava acontecendo e quando me permiti descobrir eu tive a maior surpresa da minha vida (eu realmente te amava).

Algumas pessoas desconfiavam do que estava acontecendo, mas nossa amizade abafava qualquer pensamento mais ousado, mas apenas abafava, pois não impedia que pensassem e como eles pensavam. Mas hoje eu não me importo mais, eu senti, eu sinto e sentirei, até o momento em que eu descobrir meu endereço e me mudar de vez de você, sei que é isso que você deseja e é pra isso que eu estou trabalhando. Dia após dia eu procuro um endereço pra onde voltar, quando eu tiver eu mando pra você e ai você já não fará a menor diferença.

Ps: Não é isso que eu quero, mas é assim que tem que ser.

Das coisas reais que eu leio

Não é a poesia, não são as canções, não são os castelos, não é a arte. Não são as promessas, o comprometimento, o casamento ou uma joia caríssima. Um pau realmente duro por horas ininterruptas é que é o melhor, mais lindo e mais sincero elogio que um homem pode fazer a uma mulher

Tati Bernardi

Um texto sem título

Sempre preferi o melhor de tudo, os melhores amigos, os melhores lugares, as melhores roupas, os melhores sapatos, as melhores canetas e os melhores horários, sempre fui destas que queria o melhor pra si, por achar que merecia ter o melhor que a vida poderia me proporcionar e foi assim que escolhi ter o melhor amor para amar, o mais doce, o mais educado e o mais humano, porque é assim não é? Não amamos por quem a pessoa é e sim pelo que ela nos faz quando estamos amando ela. Então se amamos o melhor, este amor vai fazer com que você se sinta a melhor das mulheres, ou vice-versa.

Então porque esta história não está sendo a melhor? Amo o melhor e não tenho o melhor dele, nem sinto nenhum sentimento bom vindo desse amor. O que recebo são apenas frases monossilábicas e respostas secas às minhas perguntas (e que bom que ainda recebo estas respostas). Mas tem dias como hoje que ele se supera resolve me dar atenção, tem dias como hoje que ele resolve ser o melhor pra mim e eu esqueço toda a minha carência, toda a minha insatisfação, todas as minhas cobranças e sonhos para o futuro e resolvo ser o “eu e ele do passado”, de quando nos olhávamos nos olhos e fingíamos que nada estava acontecendo, de quando sentíamos ciúmes um do outro, mas mascarávamos com nossa amizade incontestável. Hoje ele me fez uma pergunta boba e quando ele me faz perguntas bobas eu sei que é ele querendo vir à tona, quando eu respondo essa pergunta e recebo outra mensagem com uma indagação desnecessária eu sei que ele quer continuar ali e quando eu falo cheia de vida, cheia de pontos de exclamação, cheia de vírgulas e risadas no final, ele sabe que sou eu querendo ele de volta.

Mas nada dura mais que 30 minutos, são apenas 30 minutos de felicidade, mas este tempo é suficiente pra que eu saiba que ainda estamos vivos, mesmo querendo morrer! Sim é isso que queremos, queremos morrer, pois morrendo nasce o ponto final e com o ponto final eu acho que viverei não mais em função destes momentos onde ele se mostra, pois eu sei, melhor que qualquer um, que ele não quer se mostrar, ele quer seguir as escolhas do drama que ele traçou, e a mim só resta continuar na minha ficção baseada em fatos reais. Ele quer morrer porque morrendo ele esqueceria tudo, inclusive a dúvida da qual ele nem se permite ter sobre “o que teria acontecido se eu tivesse tentado”.

Hoje eu fiquei feliz, mas nem toda a minha felicidade me impediu de terminar o dia com este texto e uma pergunta: será que ele está pensando em mim como eu estou pensando nele? Uma parte de mim acha que não, e a outra acha que sim. A que acha que sim é a parte sonhadora é a que fica feliz com meia hora de atenção; a que fica triste é a que analisa toda a situação e sabe que de nada adianta gastar tanto tempo e tanto esforço nessa história que pode até envolver os melhores, mas nem de longe foi a melhor da minha vida! Alias, ela nem foi algo, foi apenas sorrisos e olhares enquanto ninguém notava.

Etern(on)a.mente

Gostaria de estar escrevendo pela última vez sobre o assunto, mas sei que na minha mente ele será escrito quantas vezes a eternidade permitir e como eterno é tudo aquilo que não teve principio e nem terá fim; ou que teve um princípio, mas não há de ter fim, eu sei que este assunto ficará na minha mente eternamente.

Já contei aqui sobre a minha descoberta do amor, do quanto que isso foi bom e do quanto que eu aprendi amando o homem que amo, mas hoje está historia não é mais tão bonita e já não me faz sorrir. Hoje ela me deixa triste e faz com que eu me humilhe por meio de ligações com choros e frases, “Eu te amo”, ditas sem pensar. Sei que isso tudo não fere apenas a mim, fere-o também, pois lá onde ele está ele também sofre, porque sei que, por me querer bem, ele não gostaria de me fazer sentir essas coisas. E aqui mais uma vez eu demonstro todo o meu amor por ele, pois eu gostaria de esquecer todo este sentimento e parar de falar pra ele que eu o amo, para deixa-lo seguir sua vida feliz! Eu só quero que ele seja feliz!

Eu poderia pedir para Deus tirar ele do meu coração, mas não é isso que eu quero, o que eu quero mesmo é que ele fique eternamente comigo, eu quero deitar e quero sonhar com o dia do nosso reencontro, eu quero imaginar o dia do nosso casamento em uma igreja bem antiga e cheia de flores cor de rosa e brancas, com todos os nossos amigos sorrindo e chorando com a nossa felicidade, eu quero nos imaginar saindo da igreja e ver todos soprando bolhinhas de sabão na gente e quero que o fotógrafo consiga registrar uma foto onde essas bolhinhas estejam nos envolvendo como em um conto de fadas, que no exato momento do clique ele me olhe e diga que me ama; quero sonhar com nossa filha de lindos cabelos cacheados e negros, e quero pensar nele penteando esses cachinhos dela, quero sonhar com o dia em que eu arrumarei suas roupas e cuidarei da sua aparência, quero nossas brigas fúteis e quero nosso amor de tirar o fôlego…

Bom, mas minha racionalidade me manda esquecer essa história e me faz lembrar o que ele mesmo me disse no dia que nos despedimos, então eu DECIDI que vou esquecer, até agora eu estava bastante relutante quanto a essa atitude, pois acima de tudo nós sempre fomos amigos e eu morro de saudade da convivência, mas já vai fazer um ano que terminamos nossas atividades e seguimos nossos caminhos, então a minha desculpa de ter saudade da nossa amizade é tudo invenção da minha mente, porque o que eu quero mesmo e sempre estar presente pra que ele tenha a certeza de que eu sempre estarei por perto, mas no fundo eu acho que ele não quer isso, ele quer seguir a vida dele e eu não posso fazer nada quanto a isso, na verdade eu posso fazer apenas uma coisa: Esquecer! E hoje eu resolvi esquecer, porém ninguém, nem mesmo ele, vai fazer com que eu o tire da minha mente, pois como falei no inicio é eterno, e eterno é tudo aquilo que não teve princípio (eu não sei o dia que comecei a amar) e nem terá fim (pois foi o amor que eu escolhi para amar). E que este amor seja eterno enquanto durar na minha mente, e que ele fique na minha mente eternamente!

Nunca

A Banda Mais Bonita da Cidade

Nunca

Nunca, diga não pra mim
Eu não vou poder trabalhar, conversar, descansar sem o teu sim
Seja sempre assim
Por favor me dê um sinal
Um cartão postal, um aval dizendo assim

‘Não, não é o fim, dure o tempo que você gostar de mim
Entre o não e o sim, só me deixe quando
o lado bom for menor do que o ruim’

Nunca se esconda assim
Eu não vou saber te falar, te explicar que
Eu também me assusto muito
Você nunca vê que eu sou só um menino destes tais
Que pensam demais
Logo mais, vou correr atrás de ti.

‘Não, não é o fim, dure o tempo que você gostar de mim
Entre o não e o sim, só me deixe quando
O lado bom for menor do que o ruim’

“só me deixe quando o lado bom for menor do que o ruim”